Uber Portugal vai dar 300 mil máscaras a motoristas e estafetas

A Uber Portugal vai obrigar os motoristas a usarem máscara, exigindo uma selfie para confirmar o cumprimento desta medida de segurança. Empresa oferece máscaras e desinfetantes.

Os motoristas que conduzem ao serviço da Uber Portugal vão ser obrigados a usar máscara de proteção e a empresa tem 300 mil para dar. Para garantir que a medida é respeitada, a Uber implementou um sistema em que os condutores vão ter de tirar uma selfie para poderem ficar online e receber viagens. Depois, um algoritmo de inteligência artificial verifica a imagem e confirma se a pessoa está, efetivamente, a usar máscara de proteção.

Esta é, no entanto, apenas uma das várias medidas anunciadas pela Uber Portugal numa altura em que o país tenta uma reabertura gradual da economia, antecipando-se a retoma também das viagens nas plataformas eletrónicas de transporte. Por isso, e como também os passageiros serão obrigados pela Uber a usarem máscara, estes, antes de cada viagem, terão de confirmar na aplicação que estão protegidos e que tomaram algumas medidas de segurança, através da apresentação de uma checklist.

“Antes de ficarem online, será solicitado aos motoristas e parceiros de entrega que confirmem a utilização de máscara tirando uma selfie“, explica a empresa num comunicado. “Será [também] solicitado aos utilizadores de viagens Uber que confirmem que tomaram algumas medidas importantes de segurança […] como usar máscara, sentarem-se apenas no banco de trás, lavar as mãos e abrir as janelas de ventilação”, lê-se na mesma nota.

As medidas da Uber Portugal surgem um dia depois de a multinacional ter apresentado as linhas orientadoras da estratégia de retoma das operações nos EUA. As medidas em Portugal estão em linha com as medidas tomadas ao nível internacional, sendo que, neste mercado em específico, a empresa promete a distribuição de 16 mil desinfetantes (8.000 para motoristas da Uber e 8.000 para estafetas da Uber Eats). “Adicionalmente, a Uber está a distribuir cerca de 300 mil máscaras de proteção através dos postos de abastecimento Prio e de restaurantes parceiros para motoristas e parceiros de entrega”, sublinha a empresa.

A Uber tem sido significativamente penalizada pela pandemia, com o negócio do transporte de passageiros quase paralisado, o que forçou o grupo a reinventar-se nas entregas ao domicílio com a Uber Eats, bem como a despedir uma parte da equipa em todo o mundo, incluindo em Portugal, sabe o ECO. A empresa aposta agora na recuperação do negócio, mantendo ainda alguma proteção aos motoristas, apesar da quebra expressiva nos rendimentos, que deixou muitos trabalhadores da “economia da partilha” em sérias dificuldades financeiras.

“Desde dia 16 de março que a Uber garante uma compensação financeira equivalente a 14 dias do seu rendimento a motoristas ou parceiros de entrega [estafetas da Uber Eats] em quarentena obrigatória ou infetados pelo vírus”, aponta a empresa. A Uber garante que a medida serve para que “nenhum” motorista ou estafeta “se sinta obrigado a trabalhar em situação de risco para a comunidade”, apesar de, em Portugal, por lei, pessoas infetadas e sob vigilância das autoridades de saúde já serem obrigadas a permanecer em confinamento.

“Estamos a trabalhar diariamente no sentido de reforçar as práticas de segurança e fornecer gratuitamente materiais sanitários e de proteção aos motoristas e parceiros de entrega que colaboram com a Uber. Teremos também especial atenção ao feedback de utilizadores e atuaremos em tempo útil de modo a garantir a segurança de todos”, promete Manuel Pina, diretor-geral da Uber Portugal, citado na mesma nota.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber Portugal vai dar 300 mil máscaras a motoristas e estafetas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião