Portugal é 19.º no mundo na transição para energias limpas

  • Lusa
  • 14 Maio 2020

No ranking do Fórum Económico Mundial POrtugal tem uma pontuação de 64,2% (era 16.ª em 2019, com 65%), numa lista liderada pela Suécia, pelo terceiro ano consecutivo, seguindo-se Suíça e Finlândia.

Portugal está em 19.º lugar entre 115 países na transição para energias limpas, indicou o Fórum Económico Mundial (FEM), que alertou para eventuais retrocessos à escala global devido à pandemia da covid-19.

Portugal desceu três lugares em relação a 2019 no relatório da FEM, no qual se salientou que a maioria dos países está a fazer progressos no processo de transição para energias menos poluentes, mas também que a pandemia da covid-19 pode levar a retrocessos.

O organismo publicou hoje um relatório baseado no Índice de Transição Energética 2020, que avalia o desempenho dos sistemas de energia de 115 países, em função do desenvolvimento e crescimento económico, sustentabilidade ambiental e indicadores de segurança energética, bem como a preparação das economias mundiais para “a transição para sistemas de energia seguros, sustentáveis, acessíveis e inclusivos”.

Portugal está em 19.º lugar, com uma pontuação de 64,2% (era 16.ª em 2019, com 65%), numa lista liderada pela Suécia, pelo terceiro ano consecutivo, seguindo-se Suíça e Finlândia.

França, em 8.º lugar, e Reino Unido, em 7.º, são os únicos países do G20 no ‘top’ 10, apontou o estudo.

Os Estados Unidos ficaram de fora do top dos 25 mais bem classificados pela primeira vez, por causa da “incerteza regulatória para a transição energética”, indica o relatório.

Apenas dois países de língua portuguesa figuram no ranking, com o Brasil em 47.º lugar e uma pontuação global de 57,9%, e Moçambique, em 109.º, com 42%.

A maioria dos países, 94 dos 115 analisados, registaram progressos desde 2015, apontou o FEM em comunicado, alertando no entanto que as alterações sem precedentes provocadas pelo novo coronavírus põem em perigo a transição para energias limpas.

A redução na procura de energia e a volatilidade dos preços representam riscos para a continuação da transição energética, apontou o organismo, instando os países a utilizar esta crise “para repensar a forma como a energia é produzida, fornecida e consumida”, introduzindo mudanças que respeitem o meio ambiente.

A incerteza económica gerada pelo novo coronavírus também poderá levar ao aumento do peso das faturas dos serviços energéticos nos orçamentos das famílias, num futuro próximo, alertou o organismo.

Entre as sugestões do FEM para inverter esta tendência está a criação de pacotes de ajuda à recuperação económica que tenham em conta estratégias de longo prazo e incluam estímulos à transição energética para energias mais limpas, com a adoção de sistemas energéticos “inclusivos e sustentáveis”.

Apesar de 75% dos países estudados terem melhorado os seus indicadores de sustentabilidade ambiental nos últimos cinco anos, o Fórum Económico Mundial considerou que os progressos não são suficientes, sublinhando que a sustentabilidade é o indicador que menos progride.

O índice ETI avalia a limitação dos subsídios energéticos, a redução da dependência das importações, os compromissos políticos para a transição energética, o investimento em energias limpas, a inovação e a eliminação gradual do carvão, entre outros critérios.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é 19.º no mundo na transição para energias limpas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião