Número de casos de Covid-19 aumenta 0,92%. Já morreram 1.356 pessoas

O número de pessoas infetadas por Covid-19 em Portugal subiu para 31.292. Morreram 14 pessoas vítimas da doença nas últimas 24 horas.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) identificou 285 novos casos de Covid-19, elevando para 31.292 o número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus no país. Trata-se de uma taxa de crescimento diária de 0,92%. Nas últimas 24 horas morreram 14 pessoas com a doença, segundo a última atualização ao boletim das autoridades de saúde portuguesas.

Desde o início do surto em Portugal, a 2 de março, foram detetados 31.292 casos confirmados de Covid-19 no país. No que toca ao número de mortes, há registo de 1.356 óbitos, mais 14 nas últimas 24 horas. “A taxa de letalidade global e de 4,3%. Já a taxa de letalidade acima dos 70 anos é de 16,9%”, adiantou António Lacerda Sales, secretário de Estado da Saúde, na conferência de imprensa desta quarta-feira.

Um total de 18.349 pessoas já recuperaram da doença, mais 253 pessoas desde a passada meia-noite, de acordo com a DGS. Há ainda 510 pessoas internadas (menos três pessoas do que no dia anterior), das quais 66 estão em unidades de cuidados intensivos (menos cinco). Isto significa que “35,4% dos casos encontram-se a recuperar no domicilio, enquanto 1,6% dos casos estão internados, sendo que 0,2% em unidades de cuidados intensivos e 1,4% em enfermaria“, destacou Lacerda Sales.

Boletim epidemiológico de 27 de maio:

O Norte continua a ser a região mais afetada por este vírus, com 16.703 casos de infeção e 755 mortes. Atrás aparece a região de Lisboa e Vale do Tejo (10.055 casos e 335 mortes), o Centro (3.690 casos e 235 mortes), o Algarve (363 casos e 15 mortes) e o Alentejo (256 casos e uma morte). Nas ilhas, os Açores registam 135 casos e 15 falecimentos, enquanto a Madeira tem 90 pessoas infetadas.

Segundo a informação da DGS, 1.886 pessoas aguardam resultado laboratorial e 27.141 cidadãos estão sujeitos à vigilância das autoridades de saúde, por terem estado em contacto com pessoas infetadas por Covid-19. Desde 1 de janeiro que já foram detetados 316.364 casos suspeitos e 283.186 casos acabaram por não se confirmar.

Portugal já realizou mais de 770 mil testes ao Covid-19

Ainda durante o briefing diário, o secretário de Estado da Saúde disse que “desde o dia 1 de março foram realizados mais de 770 mil testes de diagnóstico”. Em maio, já foram feitos mais testes do que em abril, sendo que, no dia 15 de maio, foi ultrapassada a barreira dos 20 mil testes diários.

Lacerda Sales lembra ainda que, no que toca a casos confirmados, “a situação não é igual em todo o país”, já que a 25 de maio tínhamos “4% de testes positivos a Norte, 1% no centro, 0% na Madeira, Açores e Alentejo, 2% no Algarve e 7% em Lisboa e Vale do Tejo”. Questionada sobre o aumento de casos na região de Lisboa, a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, sublinha que nesta região “há “múltiplas situações diferentes”, dando como exemplos os focos de infeção na Azambuja, detetados em meio laboral ou “outras zonas em que há casos dispersos”. “O que está a acontecer em Lisboa e Vale do Tejo já aconteceu noutras regiões do país”, conclui.

Graça Freitas lembrou também que a “grande maioria” das pessoas tem sintomas ligeiros a moderados, pelo que estão a recuperar da doença nas suas casas, mas acrescenta que “tem de haver um conjunto mínimo de habitabilidade”. Segundo a diretora-geral de saúde, “o que determina ficar em casa é sobretudo o caso clínico”, tendo em conta uma avaliação feita “pelo conjunto das autoridades de saúde e de outras instituições que possam intervir”. “Em situações extremas, em que seja necessário realojamento, essa situação será ponderada”, explica.

(Notícia atualizada ás 14h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de casos de Covid-19 aumenta 0,92%. Já morreram 1.356 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião