Covid-19: Moody’s desce previsão de preço do petróleo para entre 45 e 65 dólares

  • Lusa
  • 28 Maio 2020

"Reduzimos as nossas previsões, de 50 a 70 dólares por barril, para 45 a 65, refletindo a nossa visão de que os preços do petróleo vão continuar altamente voláteis", aponta a Moody's.

A agência de notação financeira Moody’s desceu esta quinta-feira a previsão de preço do petróleo para entre 45 e 65 dólares, considerando que a recuperação da procura desta matéria-prima será mais lenta que a retoma económica.

Reduzimos as nossas previsões, de 50 a 70 dólares por barril, para 45 a 65, refletindo a nossa visão de que os preços do petróleo vão continuar altamente voláteis, com períodos acima e abaixo do limite das previsões“, escrevem os analistas, num comentário à evolução do setor.

De acordo com o documento, “as questões geopolíticas e as tentativas de gestão da oferta pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) também vão originar flutuações frequentes no preço”.

Segundo a Moody’s, a pandemia da Covid-19 vai afetar os mercados globais de três maneiras, sendo a primeira a ligação entre a evolução da economia e a procura de petróleo.

“Assumindo uma recuperação económica gradual começando na segunda metade de 2020, a Associação Internacional da Energia estima que no final do ano a procura seja de 6,5 milhões de barris por dia, o que equivale a 6% menos que os níveis antes da crise”, lê-se no texto.

A segunda alteração estrutural é que haverá uma recuperação mais lenta dos preços em comparação com a retoma da atividade económica: “As medidas governamentais para reduzir a propagação do novo coronavírus restringiu as atividades dependentes do petróleo, como as viagens de avião, que vão recuperar mais lentamente que o PIB geral, por isso os elevados inventários de petróleo e combustíveis a nível global vai abrandar ainda mais o ritmo da recuperação da procura de petróleo.

Por último, nota a Moody’s, as alterações na maneira de trabalhar implicam também uma redução do consumo de petróleo, já que a pandemia do novo coronavírus “iniciou uma experiência em tempo real sobre a digitalização dos serviços, trazendo possivelmente alterações permanentes à natureza do trabalho na indústria dos serviços, reduzindo quer as viagens de negócios, quer as próprias deslocações para os escritórios”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Moody’s desce previsão de preço do petróleo para entre 45 e 65 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião