É o primeiro parque eólico flutuante do mundo. Windfloat entra na reta final no mar português

Com uma capacidade instalada de 25 MW, quando estiver 100% operacional o Windfloat Atlantic será capaz de gerar energia suficiente para fornecer o equivalente a 60 mil famílias por ano. 

O primeiro parque eólico flutuante semissubmersível do mundo, situado em Portugal, entrou na sua reta final, cerca de seis meses depois da ligação à rede elétrica nacional, por cabo submarino, da primeira turbina com mais de 30 metros de altura ao lago da costa portuguesa. No final desta semana serão já três, no total, as torres eólicas flutuantes a produzir eletricidade limpa em pleno mar nacional.

Com uma capacidade instalada de 25 MW, quando estiver 100% operacional o parque eólico será capaz de gerar energia suficiente para fornecer o equivalente a 60 mil famílias por ano. O WindFloat Atlantic permitirá poupar quase 1,1 milhões de toneladas de CO2.

O projeto é liderado pelo consórcio Windplus, constituído pela EDP Renováveis (54,4%), Engie (25%), Repsol (19,4%) e Principle Power Inc. (1,2%) e teve o apoio financeiro do Governo português, da Comissão Europeia e do Banco Europeu de Investimento. São parceiros do projeto a Principle Power, a joint venture entre a Navantia/Windar, o Grupo A. Silva Matos, Bourbon, o fornecedor de turbinas eólicas MHI Vestas e o fornecedor de cabos dinâmico, a JDR Cables.

Esta quinta-feira, ao final da manhã, saiu do porto de Ferrol, na Galiza, a terceira e última plataforma da central Windfloat Atlantic, rumo à costa de Viana do Castelo. A torre eólica levará agora três dias até chegar ao seu destino, a 20 quilómetros ao largo da costa portuguesa, onde está a ser construído o primeiro parque eólico flutuante offshore da Europa continental. “A operação ficará concluída quando esta última plataforma se acoplar ao sistema de amarração criado naquela zona do oceano e for ligada às outras duas estruturas já existentes no parque eólico em alto mar”, explica a EDP.

Ancorada desde julho na sua morada final, a cerca de 20 quilómetros da costa de Viana do Castelo, a primeira turbina assente numa plataforma flutuante (de um total de três) foi ligada à rede elétrica nacional a 31 de dezembro de 2019, através de um cabo marítimo que permite escoar a eletricidade de fonte renovável produzida pela turbina eólica em alto mar. No início de 2020, chegou ao local a segunda plataformas. A terceira e última turbina tem chegada prevista para domingo.

A central eólica flutuante em mar português será então composta por três torres com 30 metros de altura, com uma distância de 50 metros entre cada coluna assente nas plataformas, e com as maiores turbinas eólicas do mundo instaladas numa superfície flutuante, cada uma com capacidade de produção de 8,4 MW. As três plataformas flutuantes foram construídas num trabalho de cooperação ibérica: duas saíram dos estaleiros de Setúbal (Portugal) e a terceira dos estaleiros de Avilés e Ferrol (Espanha).

O projeto recorre à inovadora tecnologia WindFloat, que permite que as três plataformas sejam ancoradas a uma profundidade de 100 metros, minimizando o impacto ambiental e facilitando o acesso a recursos eólicos sem explorar águas profundas. As turbinas são montadas em terra e depois rebocadas até ao destino final, sem depender de operações offshore complexas associadas à instalação das estruturas fixas tradicionais das centrais eólicas offshore que existem noutros países europeus, como a Dinamarca ou o Reino Unido, ente outras.

O Windfloat Atlantic surge na sequência do protótipo WindFloat1 que esteve em funcionamento de 2011 a 2016. O projeto-piloto de 2 MW produziu energia ininterruptamente com sucesso ao longo de cinco anos, sobrevivendo completamente ileso a condições climatéricas extremas, incluindo ondas de até 17 metros de altura e ventos de 60 nós, na mesma semana em que o surfista norte-americano Garrett McNamara bateu o recorde da maior onda surfada, na Nazaré.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É o primeiro parque eólico flutuante do mundo. Windfloat entra na reta final no mar português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião