Governo admite novo leilão eólico para atingir meta de 2030

  • ECO
  • 28 Novembro 2019

Chegar aos 9 GW de capacidade eólica instalada em 2030 pode ser possível com a reconversão dos aerogeradores atuais. Mas o Governo não exclui um novo leilão, se a primeira via for insuficiente.

O Governo não exclui realizar mais um leilão eólico se isso for necessário para cumprir a meta prevista no Plano Nacional de Energia e Clima 2030, avançou o Público (acesso condicionado), que cita fonte oficial do Ministério do Ambiente e da Ação Climática. O objetivo estipulado é o de chegar ao final da próxima década com uma capacidade eólica instalada de 9 GW (gigawatts), que compara com os 5 GW de 2015.

Atualmente, o plano assenta, sobretudo, na reconversão do atual parque eólico. Ou seja, “essencialmente”, na troca de aerogeradores mais antigos por máquinas mais eficientes e capazes de produzir mais energia a partir do vento, o que permitirá aumentar a potência dos parques eólicos que já existem.

Mas, caso esta intenção “se revele insuficiente” para chegar aos 9 GW em 2030, “o Governo poderá sempre realizar um leilão destinado exclusivamente à tecnologia eólica”, admitiu fonte do ministério ao jornal.

Esta informação compara com o que está já previsto para a energia solar. Segundo o Público, a capacidade instalada no que toca a esta tecnologia era de 0,4 GW em 2015, havendo o objetivo de também se chegar aos 9 GW em 2030. Neste caso, está já agendado um segundo leilão de energia solar no primeiro trimestre do próximo ano.

Portugal tem surgido no topo dos rankings de energia eólica e é um case study no que toca à exploração desta tecnologia para produzir eletricidade, uma fonte renovável e muito mais ecológica do que a queima de combustíveis fósseis, como o carvão ou derivados do petróleo. O país tem sido apontado pelo Eurostat como o quarto em que a energia eólica tem maior peso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo admite novo leilão eólico para atingir meta de 2030

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião