Governo prevê liquidar reembolsos de IRS até final do mês

Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital diz que já aprendeu a não se comprometer com datas, mas que o objetivo do Governo é que a liquidação do imposto aconteça ainda este mês.

O Governo antecipa pagar todos os reembolsos de IRS ainda este mês. Apesar de não se querer comprometer com uma data específica, o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital Pedro Siza Vieira disse, esta terça-feira no Parlamento, esperar que a liquidação do imposto junto dos contribuintes seja feita até ao fim de junho.

Mais de quatro milhões de declarações de IRS foram entregues à Autoridade Tributária (AT), nos primeiros dois meses da campanha deste ano, ou seja, até final de maio. Contas feitas, ainda não apresentaram a Modelo 3 mais de 1,5 milhões de contribuintes portugueses, que têm agora até ao final do mês para o fazerem. Até ao momento, já foram processados reembolsos no valor de mil milhões de euros para cerca de 1,2 milhões de contribuintes.

Ao contrário do que aconteceu nos anos anteriores, o Executivo de António Costa não se comprometeu com reembolsos rápidos do imposto devido à incerteza trazida pela pandemia de coronavírus. Ainda assim, o Governo diz que se está a verificar um ritmo de execução similar ao dos anos anteriores e Siza Vieira garantiu agora querer acelerar.

O Executivo tem sido alvo de crítica pela demora já que as famílias têm visto os rendimentos afetados pela pandemia. Ainda esta segunda-feira, a Provedora de Justiça pediu ao Governo que acelere os reembolsos do IRS.

Numa comunicação dirigida ao Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, a Provedora de Justiça revelou preocupação com os contribuintes que, por terem dívidas fiscais têm visto os seus reembolsos de IRS retidos pela AT. Mas também com quem, não tendo dívidas fiscais, também se lhe tem dirigido apontando morosidade no pagamento dos seus reembolsos.

(Notícia atualizada com dados mais recentes do reembolso do IRS)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo prevê liquidar reembolsos de IRS até final do mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião