Restrições aos voos da União Europeia deverão ser levantadas na segunda quinzena de junho

O ministro da Economia antecipa que as restrições aos voos dentro da União Europeia deverão ser levantadas na segunda quinzena de junho.

Menos pessimista em relação à quebra do turismo português, Pedro Siza Vieira antecipou esta terça-feira, numa audição no Parlamento, que as restrições das ligações aéreas dentro da União Europeia deverão ser levantadas a partir da segunda quinzena de junho.

Em relação às ligações aéreas, estarão provavelmente a ser levantadas as restrições existentes a partir da segunda quinzena de junho“, disse o ministro de Estado, Economia e Transição Digital na Assembleia da República esta terça-feira. Para já, o acordo bilateral com a Alemanha é o que está mais avançado, segundo o ministro, sendo que também há negociações a decorrer com o Reino Unido.

Anteriormente, na mesma audição, Siza Vieira disse estar menos pessimista em relação à quebra do turismo português face às suas expectativas há um mês. “A redução da procura turística não será tão significativa como no início de abril se previa“, disse, afirmando que está a ser feito um trabalho conjunto com as companhias aéreas para restabelecer as rotas com destino ao país.

Para Siza Vieira tal significa que “não vai ser só turismo interno (…) vamos também ter procura por parte dos mercados europeus“. “Portugal está no radar dos turistas europeus”, garantiu, referindo que a “robustez” e a “resiliência” da resposta dos portugueses à pandemia são uma arma a ser utilizada na promoção internacional do turismo nacional.

Há três ideias que estão a ser “vendidas” lá fora, segundo Siza Vieira: Portugal esteve sempre “open for business” (aberto a negócios); é um destino seguro” com um “SNS robusto” e uma “população que conseguiu resistir” à pandemia; e está “pronto para receber os turistas”.

É isso que leva o ministro a antecipar, com declarado otimismo, que podemos vir “a reforçar nossa quota de mercado” do turismo mundial, ficando assim Portugal “reforçado como destino turístico”. Apesar destas expectativas, Siza Vieira também meteu água na fervura, dizendo que o país não vai ter este ano os 27 milhões de turistas que teve em 2019 “e talvez ainda não no próximo”.

O ministro da Economia reconheceu ainda que o turismo vai “estar a trabalhar abaixo da capacidade instalada” durante algum tempo e, por isso, sendo um dos setores mais afetados pela pandemia, terá uma recuperação “mais lenta” em comparação com outras áreas da economia. Por essa razão, o Governo vai dar “mais apoios a este setor do que a outros”, nomeadamente através de apoios fiscais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Restrições aos voos da União Europeia deverão ser levantadas na segunda quinzena de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião