Associações ambientais põem Governo em tribunal por causa de aeroporto do Montijo

  • Lusa
  • 4 Junho 2020

Oito organizações ambientais apresentaram uma ação no Tribunal Administrativo de Lisboa porque querem “impedir o avanço do projeto de construção do Aeroporto do Montijo”.

Oito organizações ambientais puseram o Governo português em tribunal para tentar anular a declaração de impacto ambiental favorável ao novo aeroporto do Montijo.

ZERO, Sociedade Portuguesa de Estudo das Aves, ANP/WWF, A Rocha, FAPAS, GEOTA, LPN e Almargem apresentaram uma ação no Tribunal Administrativo de Lisboa porque querem “impedir o avanço do projeto de construção do Aeroporto do Montijo”.

Consideram que o Governo não teve em conta os impactos que o aeroporto irá ter no Estuário do Tejo, “uma área natural protegida a nível nacional e internacional”.

“Aves e habitats protegidos no Tejo sofrerão impactos permanentes se o aeroporto for construído. A segurança de aeronaves, pessoas e aves será também ameaçada, devido ao risco de colisões entre aves e aviões, enquanto a saúde das pessoas e dos espaços naturais ficaria afetada pelo aumento de poluição resultante do aumento do tráfego aéreo, rodoviário e fluvial”, alertam as associações.

A advogada Soledad Gallego, da organização de direito ambiental Client Earth, que apoia a ação em tribunal, afirmou em comunicado que avançar com o aeroporto é “uma violação clara das leis de proteção da natureza da União Europeia e portuguesas, que não pode passar impune”.

As associações consideram insuficiente que se tente “deslocar as aves que seriam afetadas e compensar efeitos negativos do aeroporto recuperando áreas marginais da Zona de Proteção Especial”, medidas que afirmam que servem só para “encobrir as falhas sistemáticas na conservação e gestão desta área”.

Se o tribunal lhes der razão, esperam que se consiga “corrigir de forma definitiva um erro do Governo português” e travar um projeto “altamente criticado a nível nacional e internacional”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associações ambientais põem Governo em tribunal por causa de aeroporto do Montijo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião