Por cada t-shirt, mais uma árvore plantada. Lidl adota algodão orgânico para travar crise climática

O objetivo da Plant-for-the-Planet é plantar um bilião de árvores, tendo já conseguido chegar à marca de 13,78 mil milhões de plantações, de acordo com a organização. 

Na véspera do Dia Mundial do Ambiente, que se comemora sexta-feira, 5 de junho, o Lidl lança esta quinta-feira uma nova coleção de t-shirts de algodão para crianças e adultos, em parceria com a Plant-for-the-Planet, que tem como objetivo reduzir as emissões de CO2 em todo o mundo, através da plantação de árvores, atenuando a crise climática. Por cada t-shirt vendida, será plantada uma árvore.

O objetivo da Plant-for-the-Planet é plantar um bilião de árvores, tendo já conseguido chegar à marca de 13,78 mil milhões de plantações, de acordo com o site da organização.

As t-shirts desta coleção têm o selo GOTS – Global Organic Textile Standards – que garante a rastreabilidade do algodão utilizado, desde a sua colheita, passando pelo fabrico socialmente responsável, até à rotulagem.

A Plant-for-the-Planet, é uma organização não-governamental alemã que visa sensibilizar os mais novos para a proteção ambiental, contando já com 88.000 crianças e jovens embaixadores em 74 países. Esta ONG gere uma plantação de árvores na península de Yucatán, no México, onde o clima é propício ao crescimento das mesmas, crescendo particularmente mais rápido e capturando uma maior quantidade de CO2.

Além de ajudarem a combater a crise climática, as árvores plantadas nesta região mexicana são também importantes para combater as secas, formação de desertos, erosão e ajudam a proteger áreas costeiras contra terramotos. A plantação de árvores é monitorizada cientificamente pelo Crowtherlab na ETH em Zurique.

“O Lidl tem assumido vários compromissos sustentáveis: reduzir o consumo de plástico nas embalagens de marca própria em 20% até 2025 e de integrar o máximo de plástico reciclável em 100% dessas embalagens; descontinuou a venda de plásticos descartáveis, evitando a entrada no sistema de 12,5 milhões de copos e de 5 milhões de pratos anualmente; aboliu a venda de sacos de plástico para transporte de compras em todas as lojas a nível nacional – menos 25 milhões de sacos de plástico por ano”, acrescentou o Lidl em comunicado, sublinhando também a “política de compra e venda de pescado sustentável, que tem como objetivo privilegiar a pesca e aquicultura sustentável” e o “cultivo sustentável de café, chá e cacau” em colaboração com a Fairtrade, Rainforest Alliance, Bio e UTZ, que asseguram aos consumidores que os produtos respeitam as melhores práticas de comércio justo e respeito pelo ambiente.

Até ao final de 2020, o Lidl traçou ainda a meta de transitar todos os produtos de marca própria, inclusivamente as respetivas embalagens e etiquetas compostas por celulose, para material reciclado ou para fibras virgens certificadas, para apoiar o uso mais responsável da celulose e proteger as florestas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Por cada t-shirt, mais uma árvore plantada. Lidl adota algodão orgânico para travar crise climática

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião