Rede Expressos repõe mais de 60 ligações antes dos feriados

  • Lusa
  • 4 Junho 2020

Autocarros irão circular com lotação limitada a dois terços, o uso de máscara é obrigatório para passageiros e condutores e os veículos serão higienizados antes e no final de cada trajeto.

A Rede Expressos vai repor, na sexta-feira, mais de 60 ligações diárias de autocarro de longo curso entre diversos pontos do país, dias antes de uma semana que se espera de grande circulação de pessoas devido aos feriados, o anúncio foi feito esta quinta-feira pela empresa em comunicado.

Na segunda-feira, a Rede Expressos já tinha reativado outras 20 ligações diárias e em antecipação aos feriados do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas (na quarta-feira) e do Corpo de Deus (na quinta-feira).

A empresa garantiu no comunicado que o reatar das operações vai ter em consideração “as instruções de segurança sanitária emanadas pela Direção-Geral da Saúde”.

Nesse sentido, todos os autocarros irão circular com a lotação limitada a dois terços, o uso de máscara é obrigatório para passageiros e condutores e os veículos de transporte serão higienizados antes e no final de cada trajeto.

Lisboa, Porto, Braga, Coimbra, Covilhã, Faro, Monte Gordo, Loulé, Vila Real, São João da Pesqueira, Lagos, Leiria, Peniche, Chaves, Viseu, Gouveia, Castelo Branco, Vila Real de Santo António, Évora, Beja, Campo Maior, Elvas, Leiria, Guimarães, Abrantes, Alcobaça, Aveiro, Mondim de Basto, Tabuaço, Moimenta da Beira e Guarda são as localidades envolvidas no retomar de ligações hoje anunciado.

A reabertura destes trajetos deixa a Rede Expressos a operar de forma “muito próxima à operação que cobria todo o território nacional” antes das restrições de circulação impostas pela pandemia de Covid-19, numa rede de 42 mil quilómetros que transporta anualmente perto de oito milhões de passageiros.

Portugal contabiliza pelo menos 1.455 mortos associados ao Covid-19 em 33.592 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado hoje.

O país entrou no dia 3 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, que sexta-feira foi prolongado até 14 de junho, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rede Expressos repõe mais de 60 ligações antes dos feriados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião