Funcionários públicos também vão receber abono de família extra

A garantia foi deixada pela ministra da Administração Pública: os trabalhadores que não descontam para a Segurança Social também terão direito ao abono de família extra, que vai ser pago em setembro.

Os funcionários públicos que descontam não para a Segurança Social, mas para o regime de proteção social convergente, também vão receber o abono de família extra prometido pelo Governo às famílias com crianças do 1.º, 2.º e 3.º escalões, no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social (PEES). A dúvida foi levantada esta segunda-feira pela Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), e a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública esclareceu que a Função Pública também está abrangida pela medida.

“Olhando para o PEES tal como está definido, [o abono extra] aplicar-se-á a quem estiver naqueles requisitos, independentemente da natureza do vínculo e do empregador”, assegurou Alexandra Leitão aos jornalistas, à saída de uma reunião com os sindicatos que representam os trabalhadores do Estado. Horas antes, o dirigente da FESAP tinha afirmado que a questão tinha sido colocada à ministra da Administração Pública, que tinha ficado de responder. Deste modo, a dúvida foi, entretanto, esclarecida.

No Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), está prevista a atribuição one-off (isto é, uma única vez) de um “montante complementar correspondente ao valor base do abono de família” a todas as crianças do primeiro, segundo e terceiro escalões.

Esse apoio deverá ser pago em setembro, “mês que é sempre particularmente exigente para as famílias em matéria de despesas escolares”, explicou o primeiro-ministro, António Costa. Esta medida deverá custar aos cofres do Estado cerca de 32 milhões de euros e será financiada pelo Orçamento do

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Funcionários públicos também vão receber abono de família extra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião