Localização, diversidade e inclusão fazem de Portugal destino atrativo para trabalhar

A grande maioria dos portugueses valoriza benefícios oferecidos pela empresa como planos de saúde, flexibilidade de horário, ajudas de custo e aposta na formação, revela a Randstad.

Portugal é um destino profissional atrativo para a população ativa portuguesa pela localização geográfica (65%), diversidade e inclusão (44%), produtos e serviços de referência (39%). A boa reputação do país (36%) e qualidade do ensino e da formação nacional (35%) seguidos da preocupação ambiental (27%) também são fatores que se destacam, segundo os inquiridos num estudo feito pela Randstad.

Segundo a empresa de recursos humanos, o grupo TAP, o Banco de Portugal e a RTP destacam-se na categoria das empresas mais atrativas para trabalhar em Portugal.

“Com este estudo, queremos dotar as empresas dos conhecimentos e ferramentas necessárias para que, neste contexto incerto, consigam construir um plano sólido para reter talento e alinhá-lo com a sua estratégia de branding. Há que trabalhar a atratividade de Portugal enquanto marca, procurando responder às aspirações do mercado e às novas prioridades do contexto em que vivemos”, diz José Miguel Leonardo, CEO da Randstad Portugal, em comunicado.

No que respeita aos setores, a saúde é o setor que mais atrai os portugueses para trabalhar, com o grupo Lusíadas Saúde a ocupar o quarto lugar deste ranking. Os portugueses identificaram ainda no top 3 os setores da aviação e tecnologias de informação e consultoria como as áreas com maior reconhecimento de marca e atratividade para trabalhar. Uma eleição que resulta de três fatores: a utilização de tecnologia recente, o desafio profissional apresentado e a boa reputação.

Por outro lado e, face a um contexto de pandemia, 44% dos colaboradores valoriza, cada vez mais, os benefícios oferecidos pelas empresas. Planos de saúde, flexibilidade de horário, ajudas de custo e aposta na formação são fatores que ajudam a aproximar talento e a manter o colaborador comprometido com a empresa, revela o inquérito.

“A forma como trabalhamos no cenário de pandemia fez rever algumas prioridades. A solidez da empresa, a segurança que esta garante e o equilíbrio profissional e pessoal estão a assumir uma nova importância na vida dos colaboradores, existindo, por isso, uma necessidade das empresas se adaptarem a esta nova realidade, traçando estratégias de atração e retenção de talento”, explica a empresa de recursos humanos, em comunicado.

 

Salário é o critério mais importante para deixar Portugal

Em relação aos critérios mais valorizados pelos portugueses no momento de escolher um país estrangeiro para trabalhar, o salário e os benefícios atrativos (83%), a estabilidade económico-financeira (68%) e a valorização do equilíbrio entre a vida pessoal e profissional (56%) estão no topo das preferências.

Segundo este estudo, a Inglaterra, Alemanha e Espanha são os destinos mais escolhidos pelos portugueses. A população ativa portuguesa prefere os países europeus como destino para trabalhar. Já África, América Latina e Ásia são os países menos referidos como destino, à exceção da Austrália e ao Brasil.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Localização, diversidade e inclusão fazem de Portugal destino atrativo para trabalhar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião