Just Eat supera Uber e compra Grubhub por 7,3 mil milhões de dólares

  • ECO
  • 12 Junho 2020

O serviço de take-away europeu venceu a Uber na corrida à compra da Grubhub. Agora, fundindo-se com a app norte-americana, vai criar o maior serviço de entrega de refeições fora da China.

A Just Eat Takeaway.com vai comprar a Grubhub por 7,3 mil milhões de dólares (6,43 mil milhões de euros), avança o The Guardian (conteúdo em inglês). O negócio, que ainda tem de ser votado pelos acionistas de ambas as empresas, combina uma das principais plataformas de entrega de refeições europeias com uma das principais aplicações do mesmo tipo no mercado norte-americano.

Esta fusão acontece depois de, como foi noticiado, também a Uber ter tentado comprar a Grubhub. Uma vez concluído a operação, as duas empresas em conjunto passarão a representar o maior serviço de entrega de refeições do mundo, fora da China.

Em maio, a imprensa internacional revelou que a Uber, que detém a Uber Eats, tinha feito uma oferta para comprar a concorrente Grubhub. A Just Eat Takeaway.com terá levado a melhor e confirma agora que vai adquirir a app norte-americana, passando a operar também naquele mercado, para além do europeu. A Just Eat vai pagar 75,15 dólares (66,2 euros) por ação da Grubhub e será proprietária de 70% do novo grupo. Os acionistas da Grubhub deterão os restantes 30% da nova empresa, segundo o The Guardian.

O mercado das entregas de refeições ao domicílio ganhou uma nova dinâmica por causa da pandemia do coronavírus.Matthew Horwood/Getty

Jitse Groen, fundador da Just Eat Takeway.com, descreve-se a si e ao responsável da Grubhub, Matt Maloney, como “dois veteranos” da entrega de alimentos, referindo que arrancaram com os seus negócios em diferentes continentes. “Acreditamos firmemente que apenas empresas com crescimento lucrativo e de alta qualidade são sustentáveis neste setor”, considerou Groen.

Quando a Grubhub foi fundada, o serviço de take-away não existia nos Estados Unidos, recordou Matt Maloney. “Combinar as empresas que iniciaram tudo isto significa que duas startups pioneiras se tornaram líder mundial”, disse. No ano passado, as duas empresas receberam 593 milhões de pedidos e contam com mais de 70 milhões de clientes ativos em todo o mundo, calcula o jornal britânico.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Just Eat supera Uber e compra Grubhub por 7,3 mil milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião