À procura de talento? Contrate-o pelo mundo fora. Eles tratam de tudo

Criada em Portugal, a Remote quer facilitar a contratação internacional, mediando os processos burocráticos entre as empresas, os contratados e as leis locais.

Tem uma vaga na sua empresa com escritório e sede em Lisboa. Conhece o candidato perfeito online. Ele vive do outro lado do mundo. Problema? Agora já não. Pelo menos, é isso que garante a Remote, uma startup portuguesa que quer resolver esse dilema. Como?

Comecemos pelo princípio. Marcelo Lebre e Job van der Voort conheceram-se por intermédio das respetivas mulheres, há mais de 10 anos. Na altura, o holandês estava a trabalhar como neurocientista na Fundação Champalimaud, enquanto o português trabalhava numa consultora.

“Demo-nos bem, temos visões e interesses pessoais semelhantes. E partilhámos sempre uma paixão grande pelo que fazíamos, perguntando-nos muitas vezes porque é que as pessoas não faziam mais vezes aquilo que gostam”, conta Marcelo Lebre à Pessoas. Essas semelhanças levaram a que, nessa altura, começassem a pensar num projeto comum, uma espécie de job board que cruzava pessoas à procura de algo que gostavam e de empresas em busca desses perfis. Apesar de o projeto ter terminado, motivou outra mudança: Job começou a dedicar-se à área de produto e a programar, voltou para a Holanda e começou a trabalhar, pouco tempo depois, para a GitLab, empresa que, desde o dia “um” não tem escritório, apesar de contar com uma equipa de mais de 1.000 trabalhadores distribuídos pelo mundo inteiro.

"As condições salariais, garantias e mais-valias locais são sempre garantidas pela Remote. Mesmo se a empresa desaparecer, o contrato garante que é pago tudo o que é devido.”

Marcelo Lebre

Cofundador da Remote

Apesar da distância geográfica, os dois amigos mantiveram o contacto e a conversa culminava sempre no mesmo ponto: quando voltariam a fazer alguma coisa juntos. Foi dessa vontade que nasceu um podcast sobre trabalho remoto. “No meio das pesquisas para encontrar convidados, começámos a discutir a necessidade no mundo de homogeneizar a forma como as pessoas eram contratadas, de criar uma forma legal e compatível com as normas dos governos locais, de contratar as pessoas que trabalhem remotamente”, recorda o português.

Há algum tempo a trabalhar nas mesmas empresas, sentiram que tinham encontrado algo que dizia muito a ambos. “Sabíamos, com a nossa experiência, que não devemos ir atrás dos pirilampos porque eles rapidamente se apagam e ficas no escuro. Mas tínhamos encontrado uma ideia com um princípio forte”, conta Marcelo. Esse foi o primeiro passo para, em dezembro de 2018, começarem a desenvolver o conceito da Remote. Na altura, ambos saíram das empresas onde estavam — Job na GitHub e Marcelo na Unbabel — para se dedicarem ao projeto, falar com investidores e “reparar que a necessidade e o interesse das empresas numa solução que permita isto é avassaladora”.

Os fundadores da Remote, Marcelo Lebre (ex-Unbabel) e Job van der Voort.D.R.

“Começámos a partir o problema da sua base: tenho uma empresa nos EUA e quero contratar uma pessoa em Portugal. Como faço? A partir daí, queremos resolver dois grandes problemas. Do lado das empresas, aumenta gigantemente a pool de recursos. Do lado das pessoas, dá condições para que as pessoas se foquem nos seus trabalhos, no que gostam de fazer, e garante um salário no final do mês”, simplifica Marcelo Lebre.

O empreendedor dá como exemplo o talento — e o preço deste — disponível em São Francisco, onde existe uma pool limitada de recursos, muita procura e preços exorbitantes. Deslocalizando essa pool — tornando a oferta mundial — abre-se o mercado a centenas de milhares de candidatos que podem viver onde lhes apetece, ganhar um salário acima da média nesses locais e resolver os problemas das empresas.

É essa ponte – entre a empresa interessada e o trabalhador remoto disponível – que a Remote se compromete. Como? Marcelo explica. “A Remote tem uma designação enquanto empresa mas, por baixo de tudo isto, somos um aglomerado de empresas. Temos uma entidade remote nos vários países onde estamos ativos”, detalha. Isso significa se uma multinacional norte-americana, por exemplo, quiser contratar um engenheiro ou um administrativo que trabalhe a partir de Portugal, a startup transforma-se no “facilitador” dessa relação, fazendo o match, simulando a operação para o futuro empregador saber exatamente as despesas em que incorre para contratar, segundo a lei local, um trabalhador – e possa fazer uma proposta com base nessa simulação – e tratando da papelada.

A base do contrato gerada é “sem termo, tipicamente”, para assegurar o “foco, que é o trabalhador”. “Este contrato é uma espécie de um aperto de mão entre duas partes mas celebra-se entre o trabalhador remoto e a Remote local. Ficamos também com um master service agreement, um contrato entre a Remote e o empregador, que prevê uma contratação de serviços. Por isso, quaisquer problemas por parte da empresa que contrata são resolvidos pelo intermediário. “As condições salariais, garantias e mais-valias locais são sempre garantidas pela Remote. Mesmo se a empresa desaparecer, o contrato garante que é pago tudo o que é devido”, assegura o fundador da startup. Garantida também é a comissão que a empresa recebe – 10% do custo do empregador – mensalmente.

"Este contrato é uma espécie de um aperto de mão entre duas partes mas celebra-se entre o trabalhador remoto e a Remote local. Ficamos também com um master service agreement, um contrato entre a Remote e o empregador, que prevê uma contratação de serviços.”

Marcelo Lebre

Cofundador da Remote

Com uma equipa internacional em expansão e, já com atividade em sete países – Portugal, Dinamarca, índia, Irlanda, Holanda, EUA (Califórnia) e Reino Unido – e planos de expansão para pelo menos mais 11 localizações ainda este ano, a Remote acaba de fechar uma ronda Série A de mais de 10 milhões de euros para expandir atividade e, como explica Marcelo Lebre, “fazer esta magia, país a país, trabalhando com as leis locais”. “Queremos que todo o processo seja 100% transparente e 100% legal. Queremos resolver estes problemas e permitir que as pessoas trabalhem remotamente sem necessidade de estarem a fugir e a encontrar estratagemas para o poderem fazer”, garante.

Com uma equipa de 20 pessoas espalhadas um pouco por todo o planeta, Marcelo ainda sonha com um mundo em que “estas pessoas, muitas delas desempregadas em resultado dos efeitos do coronavírus, podem ter acesso ao trabalho remoto para qualquer parte”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

À procura de talento? Contrate-o pelo mundo fora. Eles tratam de tudo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião