Centeno no Banco de Portugal? “Não vejo problema”, diz Marcelo

Presidente da República falou sobre a possibilidade de o ex-ministro das Finanças ocupar o lugar de governador do supervisor da banca. Diz não ver problema com essa passagem.

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ainda não se quer pronunciar sobre a proposta de lei que pretende impedir a ida de Mário Centeno para a liderança do Banco de Portugal, mas diz que não há incompatibilidade em que o ex-ministro das Finanças venha a ocupar a posição.

“A lei está no Parlamento. Está a ser votada. Não sei quando estará em condições de chegar a Belém. Quando chegar, darei a minha opinião“, começou por dizer Marcelo, em declarações aos jornalistas, nos estúdios da RTP após uma aula na telescola. Referia-se às duas propostas aprovadas no Parlamento, na semana passada, contra a vontade do PS.

Estas alteram as regras da nomeação do governador do BdP, incluindo a criação de um período de nojo de cinco anos entre o desempenho de funções de primeiro-ministro, membro do Governo responsável pela área das Finanças ou secretário de Estado em áreas conexas a essa pasta e a passagem para governador do Banco de Portugal.

Ainda falta a votação global desta proposta de lei, que o primeiro-ministro António Costa disse, também esta segunda-feira, ser “inadmissível” por ser feita à medida de Mário Centeno. A decisão final está nas mãos do Presidente da República, que a apesar de não querer adiantar uma posição sobre o assunto, sinalizou já qual a opinião sobre o assunto.

Marcelo Rebelo de Sousa explicou que “já tinha dito que não via problema em que membros do governo passarem a governadores do Banco de Portugal” e lembrou que Marcelo lembrou que o mesmo já aconteceu na monarquia, na primeira República, na democracia.

Presidente “estupefacto” com Novo Banco

Além da mudança de liderança no ministério das Finanças, Marcelo Rebelo de Sousa foi ainda questionado sobre a possibilidade de o Novo Banco vir a precisar de uma injeção de capital adicional devido ao impacto da pandemia. “Vi a notícia. Fiquei estupefacto, mas não comento esse tipo de notícia para não entrar em questões concretas das instituições financeiras“, disse Marcelo.

Numa entrevista conjunta ao Jornal de Negócios e à Antena 1, o presidente do banco, António Ramalho, afirmou que a “deterioração da situação económica” antevê que o banco vá necessitar de “necessidades de capital ligeiramente suplementares” às que estavam estimadas, não tendo sido adiantados valores.

O dinheiro recebido pelo Novo Banco para se recapitalizar totaliza 2.978 milhões de euros desde 2017, depois de, em 08 de maio, o Governo ter confirmado que foi realizada uma nova injeção de capital pelo Fundo de Resolução bancário. Dos 2.978 milhões de euros, 2.130 milhões foram de empréstimos do Tesouro.

(Notícia atualizada às 14h30)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno no Banco de Portugal? “Não vejo problema”, diz Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião