Centro de Congressos de Lisboa e FIL estreiam selo “Safe Travels”

Depois de Portugal ter sido o primeiro destino europeu a receber o selo "Safe Travels", é agora a vez de o Centro de Congressos e a FIL receberem este carimbo.

Depois de Portugal ter sido o primeiro destino a receber o “Safe Travels”, já há dois espaços no país carimbados com este selo de garantia do turismo. O Centro de Congressos de Lisboa (CCL) e a FIL – Centro de Exposições e Congressos de Lisboa são os dois primeiros espaços dedicados a eventos a receber esta distinção mundial.

O selo “Safe Travels” é atribuído pelo World Travel & Tourism Council (WTTC) e veio juntar-se ao selo “Clean&Safe” lançado pelo Turismo de Portugal em abril. Esta distinção mundial, lançada em maio, certifica destinos e espaços que cumprem as regras de higiene e galardoou agora o CCL e a FIL como os primeiros centros de congressos, reuniões, exposições e eventos em Portugal.

Este reconhecimento surge após a análise das medidas implementadas relativas ao coronavírus e, para o WTTC, estes dois espaços cumprem as regras para que todas as pessoas “estejam em segurança e se sintam em segurança”, refere o comunicado enviado pela Fundação AIP, detentora dos espaços.

“Este prémio vem consolidar a nossa posição de líder no setor da Meetings Industry, premiando o esforço feito por todas as nossas equipas no âmbito da implementação de um conjunto de normas que visam repor os níveis de confiança e segurança para os nossos colaboradores, clientes e visitantes”, diz Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP.

Estas distinções são atribuídas no dia em que foi confirmado que Portugal vai voltar a receber o Web Summit, presencial, apesar do coronavírus. A garantia foi dada pelo próprio responsável da cimeira, Paddy Cosgrave, num tweet. “O Web Summit avança este ano em Lisboa”, escreveu o responsável pelo evento na rede social.

Antes desta distinção, Portugal já tinha sido o primeiro destino europeu a receber o selo “Safe Travels“. Este selo mundial pode ser pedido por hotéis, restaurantes, companhias aéreas, empresas de cruzeiros, operadores turísticos, comércio ao ar livre, empresas de transporte, aeroportos e destinos que cumpram os protocolos standards.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centro de Congressos de Lisboa e FIL estreiam selo “Safe Travels”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião