Já há uma plataforma para o selo “Clean&Safe”. Turistas podem avaliar estabelecimentos com emojis

Consultar os estabelecimentos certificados, obter informações e até avaliar os alojamentos são algumas das funcionalidades da plataforma criada pelo Turismo de Portugal.

Mais de um mês depois de ter lançado o selo “Clean&Safe”, o Turismo de Portugal criou uma plataforma com todas as informações sobre este “carimbo”. Podem consultar-se os estabelecimentos aderentes, recolher-se informações sobre este selo e até avaliar as entidades e serviços em questão. Será com base nestes avaliações dos turistas que o Turismo de Portugal realizará vistorias aos estabelecimentos.

Desenvolvida pela Infraspeak e com o apoio da Google, a plataforma “Portugal Clean&Safe” está disponível em português e inglês. Lá é possível consultar todos os requisitos para a obtenção deste selo, mas também identificar as mais de 11 mil empresas e serviços turísticos que já têm esta certificação, assim como as suas localizações e as características de cada um.

Além disso, a plataforma possibilita também aos turistas avaliar os estabelecimentos e serviços em questão, nomeadamente quanto ao grau de satisfação sobre o desempenho das empresas no que diz respeito ao cumprimento dos requisitos, refere o Turismo de Portugal, em comunicado. Essa avaliação pode ser feita com um de três emojis: verde, se sentiu confiança no cumprimento dos requisitos durante a sua experiência, amarelo, se sentiu pouca confiança, e vermelho, se não sentiu qualquer segurança.

Assim, vai ser feita uma “monitorização do índice de confiança gerado nos turistas”, possibilitando a avaliação direta da experiência em função das medidas implementadas, comunicando-a diretamente ao Turismo de Portugal. Será com base nestas avaliações que a entidade vai realizar vistorias aleatórias, em articulação com as autoridades competentes e com as associações representativas das atividades abrangidas.

O selo “Clean&Safe” começou a poder ser pedido no final de abril e, desde então, já foram concedidos quase 12.000 certificados a empresas como empreendimentos turísticos, alojamento local, empresas de animação turística, agências de viagens e turismo, restauração, golfe, rent-a-car, guias-intérpretes, casinos e equipamentos culturais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há uma plataforma para o selo “Clean&Safe”. Turistas podem avaliar estabelecimentos com emojis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião