Extensão da moratória pública para o crédito entra hoje em vigor. Veja o que muda

Para além da extensão por mais seis meses da duração da moratória pública, o regime é alargado a mais tipos de créditos e consumidores. Fique a par das principais alterações em quatro pontos.

Os clientes bancários que aderiram à moratória pública para o crédito ou que ainda pretendam fazê-lo beneficiam a partir de hoje de um período extra de seis meses de suspensão do pagamento das respetivas prestações, até ao final de março de 2021. O regime passa a aplicar-se também a mais potenciais beneficiários e é alargado o âmbito das operações de crédito que podem estar sujeitas à moratória. Numa nota publicada no respetivo site, o Banco de Portugal dá nota das alterações ao regime que entraram em vigor esta quarta-feira.

As alterações aprovadas em Conselho de Ministros e publicadas em Diário da República esta terça-feira, visam permitir um alívio adicional a famílias e empresas que enfrentam dificuldade em cumprir com os seus compromissos financeiros com a banca devido às consequências económicas da pandemia. Em quatro pontos, saiba o que muda face às condições inicias da moratória pública anunciadas em março deste ano.

Prorrogação do prazo de vigência

O prazo de vigência da moratória pública que estava prevista durar até ao final de setembro deste ano foi prorrogado em mais seis meses até 31 de março de 2021. O Banco de Portugal dá nota que esta prorrogação se aplica automaticamente às operações de crédito já abrangidas pela moratória. Só assim não será, caso os clientes bancários comunicarem à instituição financeira que se opõem a essa extensão do prazo, o que terá de ser feito no limite até 20 de setembro deste ano.

Data-limite para adesão

Com as alterações ao regime é também estabelecida uma data-limite para a adesão à moratória pública. Assim, os clientes que não tenham aderido a estas medidas de apoio, mas que ainda o pretendam fazer, devem comunicar a sua intenção às instituições mutuantes até 30 de junho de 2020.

Mais operações de crédito abrangidas

Uma das novidades que resulta das alterações à moratória pública do crédito é o facto de esta passar a incidir num universo mais alargado de contratos celebrados com os consumidores. Se no caso dos particulares antes apenas aplicava-se ao crédito à habitação (com algumas exceções), passa agora a abranger todos os créditos garantidos por hipoteca, a locação financeira de imóveis destinados a habitação e o crédito destinado a financiar serviços de educação, incluindo a formação académica e profissional.

Alargamento dos potenciais beneficiários

Foram introduzidas também alterações às condições de acesso dos consumidores à moratória, com o alargamento do universo de clientes que podem solicitar a aplicação da moratória.

Um dos exemplos são os emigrantes que no quadro do antigo regime não podiam aceder à moratória pública, mas agora desde que cumpram as demais condições de acesso passam também a poder beneficiar.

Já no que respeita às situações relacionadas com a quebra de rendimentos como, por exemplo, as decorrentes de isolamento profilático, de doença ou de prestação de assistência a filhos ou netos, de redução do período normal de trabalho ou suspensão do contrato de trabalho, de desemprego ou de encerramento de atividade, podem agora aplicar-se não só ao mutuário como a outros membros do agregado familiar.

Para além dessas situações de quebra de rendimentos, podem igualmente aceder à moratória pública os mutuários que sofram uma perda temporária de, pelo menos, 20% do rendimento global do respetivo agregado familiar em consequência da pandemia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Extensão da moratória pública para o crédito entra hoje em vigor. Veja o que muda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião