Geração Z quer valorização e mais desafios profissionais

Os jovens nascidos entre 1995 e 2012 procuram hoje mais desafios profissionais e empresas que tenham uma cultura de flexibilidade laboral e, principalmente, políticas de impacto social e humano.

O enriquecimento profissional e os novos desafios profissionais são as prioridades da Geração Z — que integra os jovens nascidos entre 1995 e 2012 –, revela um estudo da empresa de recrutamento Michael Page sobre esta geração em Portugal. Desta geração fazem parte os jovens que estão agora a terminar os estudos, na maior parte dos casos, ou integraram recentemente o mercado de trabalho. São críticos, curiosos e procuram empresas que lhes permitam ter um impacto positivo na sociedade e no mundo.

A maior parte dos inquiridos encontra-se atualmente numa situação de contrato permanente (21,8%) ou de contrato por tempo limitado (21,3%), sendo os restantes ainda estudantes ou em situação de desemprego.

Geração Z quer diversidade e estabilidade

Como atrair e reter estes jovens, que em muitos casos estão a terminar os estudos? O estudo revela que quase 60% dos inquiridos deposita a sua total confiança nos websites das empresas, sendo que os portais de emprego, como é exemplo o LinkedIn (49,6%), ou os contactos e referências, também são apontados como fontes seguras (48,5%).

“O facto de estarem sempre conectados e de terem sido habituados a aceder a qualquer tipo de informação numa questão de segundos, despertou a curiosidade e o sentido crítico da Geração Z, cada vez mais ávida por novos estímulos”, refere Álvaro Fernández, diretor-geral da Michael Page.

Entre três a quatro anos é o tempo ideal para trabalhar na mesma empresa, de acordo com 42,7% dos inquiridos, apesar de outros estudos apontarem que estes jovens são os menos interessados em trocar de empresa durante a sua carreira profissional.

Para a Geração Z, este período deve ser aproveitado para “enriquecer o seu CV em diferentes empresas e funções” e “enriquecer as suas competências” para conseguir alcançar “estabilidade”, refere a Michael Page. Ainda assim, mais de metade dos inquiridos afirma que o tempo máximo que permaneceria numa função que não é do seu agrado é entre seis meses e um ano.

A Geração Z é extremamente qualificada e representa uma enorme mais-valia para o mercado de trabalho, ainda que seja igualmente um desafio. As empresas devem ter presente que a sua cultura deve abranger problemáticas relacionadas com o impacto social e humano, inovação e flexibilidade laboral, caso contrário dificilmente conseguirão acompanhar e motivar o talento do futuro.

Álvaro Fernández

diretor-geral da Michael Page

Para reter este talento, deve estar atento aos desafios constantes, pois para 57% dos inquiridos a “estagnação do seu percurso profissional” é a principal razão para deixarem um emprego. Para quase metade, é o facto de não se identificarem com os valores da empresa, sendo que 53% apontam que o que considera mais importante numa empresa é a “capacidade de inovar e criar novos serviços e ideias”.

Para a Geração Z, o meio de comunicação preferencial é o email (86,1%), seguido pelo contacto pessoal (62,6%) e o telefone (61,9%).

Uma geração qualificada e que procura desafios

A maioria dos inquiridos é do sexo feminino (74,4%) e tem a licenciatura como grau de formação (42,5%), sendo que a segunda habilitação académica com mais respostas foi mestrado (30,2%). A experiência profissional situa-se entre um a dois anos e mais de metade tem um salário bruto anual abaixo dos 14.000 euros.

Para o futuro, a maioria ambiciona ter entre dois a cinco projetos relacionados com a sua área principal de especialização na carreira. “A Geração Z é extremamente qualificada e representa uma enorme mais-valia para o mercado de trabalho, ainda que seja igualmente um desafio. As empresas devem ter presente que a sua cultura deve abranger problemáticas relacionadas com o impacto social e humano, inovação e flexibilidade laboral, caso contrário dificilmente conseguirão acompanhar e motivar o talento do futuro”, sublinha Álvaro Fernández.

O facto de estarem sempre conectados e de terem sido habituados a aceder a qualquer tipo de informação numa questão de segundos, despertou a curiosidade e o sentido crítico da Geração Z, cada vez mais ávida por novos estímulos.

Álvaro Fernández

diretor-geral da Michael Page

Cerca de 31,8% dos inquiridos afirma que ambiciona ter um impacto positivo na sociedade, enquanto 25,2% quer viajar e conhecer o mundo. Os temas que mais preocupam esta geração são, por ordem, a desigualdade salarial, a distribuição de riqueza, as alterações climáticas e a corrupção em empresas ou no Governo.

O estudo reuniu 333 inquiridos entre os 20 e os 25 anos, em diferentes situações profissionais, sobre temas como a procura de emprego, perspetivas laborais e progressão da carreira, entre outros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Geração Z quer valorização e mais desafios profissionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião