Geração Z é a menos interessada em trocar de empresa

  • Ricardo Vieira
  • 19 Junho 2019

Gerações de colaboradores afirmam que “gosto pela área” é determinante na escolha da profissão, todas valorizam o salário, com a exceção da geração Z, mais atenta às saídas profissionais.

As previsões apontam para que as novas gerações trabalhem mais anos do que as anteriores mas isto não implica que queiram trabalhar num maior número de empresas diferentes. De acordo com o relatório nacional “Talento Z: Os nativos digitais no mercado laboral”, elaborado pela Hays, a geração Z é, de todas as outras analisadas (baby boomers, gerações X e Y e millennials), a que quer trabalhar em menos empresas diferentes. Mais de metade dos entrevistados (52%) quer trabalhar em menos de cinco empresas distintas durante toda a carreira profissional.

“Ao analisar o relatório, percebe-se também que à medida que as gerações vão avançado as expectativas em relação ao tempo de espera por uma promoção vai reduzindo. Ou seja, as primeiras gerações são mais pacientes para verem os resultados/benefícios do seu trabalho do que as novas gerações, que querem ser valorizadas mais de imediato”, informa Paula Baptista, managing director da Hays Portugal.

As quatro gerações analisadas assumem que o “gosto pela área” foi o fator que mais influenciou na escolha da profissão, mas o salário também influencia baby boomers (7%), geração X (12%) e millennials (9%). Este é um fator sem relevância para a geração Z. Os mais novos no mercado de trabalho valorizam sobretudo as saídas profissionais, mais do que qualquer outra geração.

“Esta análise explica um pouco a nova mentalidade, que é baseada em fazer algo que gostem mais e que seja uma tendência, mas não necessariamente pelo retorno financeiro”, comenta a Hays. Ainda assim, se os baby boomers, os millennials e a geração X pudessem investir numa outra área de formação as áreas de gestão e tecnologias de informação seriam as preferências.

“Num mercado liderado pelo candidato, os benefícios podem ser a chave para a atração e retenção de talentos. Por isso mesmo, o estudo analisou os principais benefícios de cada geração”. E quando se fala de fringe benefits, os baby boomers valorizam sobretudo o seguro de saúde (86%), formação e certificações (66%) e automóvel para uso pessoal (61%), um benefício que tem vindo a decrescer gradualmente em importância a cada nova geração. Para a geração X e millennials, o seguro de saúde (88% e 82%, respetivamente), formação e certificações (80% e 79%) e a flexibilidade de horários (76%) são os benefícios extra-salariais mais importantes. E por fim, a geração Z refere a possibilidade de trabalhar a partir de casa (72%), o seguro de saúde (72%) e a flexibilidade de horários (70%). Esta é também a geração de colaboradores que mais valoriza o refeitório, cartão refeição, subsídio de transporte, acesso à Internet para uso pessoal, descontos em produtos ou serviços e dias de férias extra.

Ainda numa vertente de atração e retenção de talento, as chefias e os managers têm um grande impacto direto nos colaboradores. Segundo o relatório, as gerações X e Y concordam em considerar que os seus superiores não têm as soft skills necessárias para desenvolver a função. Como justificação, descrevem que uma chefia ideal seria alguém motivador, justo, ético, transparente e experiente.

De acordo com este estudo e o Guia do Mercado Laboral 2019, verificou-se que os perfis mais procurados para 2019 são os comerciais, de tecnologias de informação e de engenharia. No entanto, a geração Z, prefere apostar mais em áreas como a gestão. O dinamismo do mercado tem contribuído para o abrandamento da emigração, talvez por isso nenhuma das gerações revele particular interesse em emigrar, num futuro próximo.

E quando questionados sobre quais os países que consideram mais apelativos para emigrar, Espanha apresenta-se como o país menos apelativo para a geração Z (no extremo oposto estão os Estados Unidos), do que para as restantes. Para as restantes gerações, as preferências passam por Espanha, Alemanha, Angola e Reino Unido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Geração Z é a menos interessada em trocar de empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião