Depois da EDP, Galp e REN, Governo abre projeto de hidrogénio verde de Sines a mais empresas interessadas

O lançamento deste processo de manifestação de interesse tem como objetivo "robustecer a candidatura portuguesa" ao estatuto de projeto de interesse comum da UE e incentivar sinergias entre projetos.

O Governo lançou esta quinta-feira um convite a todas as empresas portuguesa e europeias, interessadas em participar no futuro mercado nacional de hidrogénio verde, para manifestarem o seu interesse no projeto para a criação de uma unidade industrial de larga escala de produção em Sines. Apresentado já em Bruxelas, o projeto Green Flamingo, do promotor Resilient Group e com a participação dos Executivos português e holandês, inclui já do lado português a EDP, a Galp e a REN, além de muitas outras empresas dos Países Baixos e de outros países europeus. O projeto está agora aberto à participação de muitas outras empresas, desde que estejam alinhadas com a Estratégia Nacional para o Hidrogénio, apresentada recentemente.

As manifestações de interesse têm de ser submetidas até 17 de julho. O Governo ambiciona que a produção de hidrogénio verde em Sines arranque já em 2022.

“O projeto de Sines, que é parte integrante da Estratégia Nacional para o Hidrogénio, tem suscitado um grande interesse por parte do setor empresarial português. Por esse motivo, considerou o Governo vantajoso iniciar um processo de manifestação de interesse, dando oportunidade de participação de vários projetos neste setor hidrogénio, desde que garantida a coerência estratégica nacional e europeia“, informou o ministério do Ambiente e Ação Climática (MAAC) em comunicado.

Com esta auscultação do mercado e uma eventual complementaridade entre vários projetos de hidrogénio já em curso no país (como é o caso da Dourogás e da Caetano Bus, por exemplo, entre outros), o objetivo do Governos passa por“robustecer a candidatura portuguesa ao estatuto IPCEI (Important Project of Common European interest) e incentivar sinergias a nível de cluster industrial nomeadamente na inovação, PME ou reforço da capacidade de produção, potenciando a capacidade de exportação”.

O convite agora lançado pelo Governo tem como destinatárias “empresas ou entidades portuguesas ou europeias, cujos projeto propostos se traduzam num valor acrescentado para o nosso país”. Ou seja, têm de se estabelecer em Portugal e criar emprego no país. Outro ponto a favor da inclusão no projeto de Sines passa pela “redução de emissões de CO2 equivalente associada por projeto apresentado”.

Diz o MAAC que “Portugal ambiciona integrar, já em 2020, o primeiro IPCEI de hidrogénio a nível europeu, e que as primeiras unidades de eletrolisadores entrem em operação em 2022, pelo que a maturidade dos projetos e capacidade de execução são considerados fundamentais” também, na análise das manifestações de interesse.

As empresas têm um mês, até 17 de julho, para entregar as suas manifestações de interesse, que serão depois analisadas por um Comité de Admissão de projetos que envolve as áreas governativas da Economia e Transição Digital, do Ambiente e da Ação Climática e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e Negócios Estrangeiros, apoiados a nível técnico pela DGEG e LNEG.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da EDP, Galp e REN, Governo abre projeto de hidrogénio verde de Sines a mais empresas interessadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião