Imparidades da Montepio Seguros superam os 164 milhões em cinco anos

  • Lusa
  • 20 Junho 2020

A Associação Mutualista Montepio Geral registou imparidades de 164,3 milhões de euros com o seu negócio segurador, Montepio Seguros.

As imparidades registadas pela Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) relativas ao ramo segurador do grupo, a Montepio Seguros, alcançaram em 2019 os 164,3 milhões de euros, acumulados desde 2015, segundo contas da Mutualista.

Em 2019, de acordo com o Relatório e Contas disponibilizado esta semana (prejuízos de 408,8 milhões de euros), foram registados 14,8 milhões de euros de imparidades relativos à Montepio Seguros.

Anteriormente, em 2017, depois de um teste de imparidade, foram contabilizados 80,2 milhões de euros direcionados à Montepio Seguros, que integra atualmente a Lusitania e a Lusitania Vida, depois da fusão da N Seguros com a Lusitania.

Em 2016, o valor destinado às imparidades tinha sido de 6,1 milhões de euros, bastante inferior aos 63,2 milhões de euros registados em 2015.

Assim, desde 2015, num valor que ascende aos 164,3 milhões de euros, apenas não foram registadas imparidades em 2018.

O registo de imparidades acontece apesar da Mutualista ter transferido 200,5 milhões de euros para a Montepio Seguros ao longo dos últimos sete anos.

Os montantes transferidos dizem respeito a 30 milhões de euros em 2019, 35 milhões de euros em 2018, 55 milhões de euros e 18,75 milhões de euros (em duas operações) em 2015, e a 61,75 milhões de euros contabilizados nas contas de 2014.

Ao longo dos anos, a Montepio Seguros tem acumulado prejuízos, tendo esse valor ascendido a 22 milhões de euros em 2018, 89,9 milhões de euros em 2017, 9,2 milhões de euros em 2016 e 79,9 milhões de euros em 2016, de acordo com os Relatórios e Contas disponíveis no site da Mutualista.

A Montepio Seguros foi presidida, entre 2016 e 2018, por Virgílio Lima, atual presidente da Mutualista Montepio, sucedendo a Tomás Correia, que esteve na presidência desde 2008 até ao final do ano passado.

Anteriormente, Virgílio Lima tinha sido também administrador da Lusitania (desde 2008), constituindo equipa com Tomás Correia, na altura presidente da companhia de seguros, cargo que acumulava com a de presidente do Montepio.

A Associação Mutualista Montepio Geral (que em este ano comemora 180 anos) é o topo do grupo Montepio e tem como principal empresa o banco Montepio.

No final do ano passado, tinha 601,784 mil associados, depois de ter perdido mais de 10 mil associados em termos líquidos (25.415 novos associados, 1.493 readmitidos e 37.731 que saíram).

Também no final do ano passado, o valor do ativo era de 3.456 milhões de euros, menos 8,5% do que em 2018, devido à reavaliação em baixa do valor das principais participações financeiras, o banco Montepio e a Montepio Seguros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imparidades da Montepio Seguros superam os 164 milhões em cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião