Montepio resgata companhia de seguros low cost com fusão na Lusitania

Grupo Montepio vai fundir a N Seguros na Lusitania. Companhia de seguros de baixo custo estava em dificuldades para cumprir rácios.

O grupo Montepio foi em socorro da sua seguradora online de automóveis, a N Seguros, e vai fundi-la com a Lusitania para evitar que entre em incumprimento dos rácios de solvência.

“A evolução desfavorável da situação financeira da N Seguros nos últimos anos e, em particular, a recente degradação do seu resultado técnico e a necessidade de reforço do provisionamento, colocaram a N Seguros em risco efetivo de incumprimento do nível de solvência no final do exercício de 2019“, indica o Montepio no projeto de fusão das duas empresas seguradoras que foi publicado esta segunda-feira no portal de justiça. A notícia foi avançada inicialmente pelo Expresso.

A Lusitania é a seguradora da mutualista Montepio, detendo 100% do capital da N Seguros, que agora vai ser incorporada mediante a transferência global do património para a Lusitânia.

Segundo o projeto de fusão, a operação acontece porque “a N Seguros, na situação atual, sem reforço de fundos próprios, não demonstra viabilidade económica”, pelo que a opção de incorporação na Lusitania “trará vantagens que se traduzem, no imediato, na redução de custos, designadamente de estrutura, concentrando numa única entidade o desenvolvimento da atividade seguradora dos ramos não vida.

A fusão surge na sequência de contactos com a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), que terá ainda de aprovar a operação.

O ativo da Lusitania está avaliado em 502 milhões de euros, enquanto o passivo é de 442 milhões. A N Seguros tem um ativo líquido de 23 milhões e um passivo de 17,1 milhões. As duas seguradoras registaram prejuízos até outubro: a Lusitania registou um resultado líquido negativo de 4,5 milhões, já o prejuízo da N Seguros ascende a 2,7 milhões nos primeiros dez meses do ano.

Apesar da incorporação na Lusitania, a N Seguros vai manter a marca, com o projeto de fusão a apontar “para uma maior eficiência na utilização dos capitais próprios e uma abordagem estratégica ao canal direto do segmento individual ancorado na marca N Seguros”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio resgata companhia de seguros low cost com fusão na Lusitania

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião