Centros comerciais criticam limitação de horário. Temem “maior concentração de pessoas”

A associação portuguesa que representa o setor considera que a limitação de horário dos estabelecimentos comerciais na Grande Lisboa pode "potenciar uma maior concentração de pessoas". 

A Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) critica a limitação de horário dos estabelecimentos comerciais na área Metropolitana de Lisboa, referindo que estes imóveis “cumprem todas as regras de segurança” e alerta que a decisão pode “potenciar uma maior concentração de pessoas”.

Em comunicado, a associação que representa 93 shoppings no país diz que os centros comerciais “investiram milhões de euros para adaptar os seus espaços”, por forma a garantir todas as condições de segurança estabelecidas pelo Governo e recomendadas pela Direção-Geral de Saúde (DGS), pelo que não compreendem a decisão de limitar o horário de funcionamento.

“Estes espaços minimizam o risco de contágio, não o agravam, permitindo à população aceder a um conjunto significativo de bens e serviços num ambiente com acesso limitado e controlado, e onde as boas práticas dos visitantes são monitorizadas e geridas por equipas profissionais de modo a minimizar os riscos”, garante o presidente da APCC, António Sampaio de Mattos.

Nesse sentido, a associação que representa os gestores dos shoppings teme que esta medida possa “potenciar uma maior concentração de pessoas”, ao contrário do que é pretendido. Além disso, pode criar “fatores de incerteza com impactos negativos na operação dos Centros, dos seus lojistas e na confiança dos visitantes”, aponta o responsável.

Os centros comerciais começaram a abrir a 1 de junho na generalidade do país. Contudo, dado o aumento no número de casos na região de Lisboa e Vale do Tejo, nesta região a reabertura só aconteceu a 15 de junho e depois de duas reaberturas falhadas. Ainda assim, o Governo decidiu na segunda-feira aplicar medidas novas restrições para a Grande Lisboa, onde a Covid-19 tem vindo a ganhar terreno em 19 freguesias de cinco concelhos da região, sendo que uma destas foi limitar o horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais até às 20h.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centros comerciais criticam limitação de horário. Temem “maior concentração de pessoas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião