TAP pediu mais 300 milhões do que o Estado vai injetar

  • ECO
  • 24 Junho 2020

A TAP pode receber até 1,2 milhões de euros de ajudas estatais, contudo, queria receber mais 300 milhões. Para receber o dinheiro, os acionistas privados têm de aceitar condições do Governo.

A TAP queria receber 1,5 mil milhões de euros em ajudas do Estado, mas o Governo, depois de analisar a situação atual da transportadora aérea nacional, decidiu cortar em 300 milhões a injeção pedida, avança o Diário de Notícias (acesso livre).

Na terça-feira, durante a audição parlamentar de Orçamento e Finanças o secretário de Estado do Tesouro, Miguel Cruz, já tinha adiantado que a companhia aérea portuguesa tinha feito um pedido de ajuda superior ao que foi aceite pelo Governo e, que segundo, o DN somava mais 300 milhões à injeção de capital.

Certo é que o Governo encolheu esse pedido, pelo que a injeção de dinheiro na companhia aérea portuguesaque já foi aprovada por Bruxelas –, pode ir agora até 1,2 mil milhões de euros, sendo que o Executivo pretende injetar, para já, cerca de 950 milhões de euros, deixando o restante numa “almofada” para eventualidades. Ainda assim, o Estado está neste momento inibido de proceder à injeção, uma vez que o Supremo Tribunal Administrativo aceitou a providência cautelar apresentada pela Associação Comercial do Porto para suspender o empréstimo até decisão judicial sobre este caso.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

TAP pediu mais 300 milhões do que o Estado vai injetar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião