Já há três candidatos para suceder a Centeno no Eurogrupo. Espanha, Irlanda e Luxemburgo na corrida

Paschal Donohoe e Pierre Gramegna irão juntar-se à ministra da Economia espanhola na corrida para substituir Mário Centeno no Eurogrupo.

O ministro das Finanças irlandês, Paschal Donohoe, irá concorrer contra a espanhola Nadia Calvino para substituir Mário Centeno à frente do Eurogrupo, sendo que o anúncio oficial deverá ser feito durante esta tarde. A ministra da Economia espanhola anunciou a sua candidatura esta manhã através do Twitter, depois de o Governo a ter nomeado. Horas mais tarde, após Donohoe, também Pierre Gramegna, ministro das Finanças luxemburguês, anunciou que irá ser candidato.

A candidatura de Paschal Donohoe foi confirmada por fontes do Governo irlandês ao Politico (acesso livre, conteúdo em inglês), e, entretanto, o próprio também já fez o anúncio na sua página de Twitter. Donohoe assumiu o cargo de ministro das Finanças da Irlanda em junho de 2017 e o seu partido, de centro-direita, Fine Gael está na fase final de acordar um novo programa para um governo com o Partido Verde e o Fianna Fail.

Mário Centeno, que deixou, a 15 de junho, o cargo de ministro das Finanças em Portugal, anunciou no início do mês que estava de saída do Eurogrupo e que não se iria recandidatar para mais um mandato, sendo que o atual termina a 12 de julho. Centeno já fez a convocação de candidatos neste processo para a eleição de um novo presidente, que está prevista para 9 de julho.

Luxemburgo também entra na corrida

Após ter sido o primeiro país a ter a presidência do Eurogrupo, através de Jean-Claude Juncker, o Luxemburgo volta a candidatar-se ao cargo, agora com Pierre Gramegna, o atual ministro das Finanças do país.

O anúncio foi feito no Twitter onde o político disse que está “preparado” para ser candidato a presidente do Eurogrupo. “Os importantes desafios atuais requerem consenso e compromisso entre todos os membros da Zona Euro — pequenos ou grandes, sul ou norte, este ou oeste”, escreveu na sua conta, referindo que usará a sua experiência de 6 anos neste cargo, se vier a ser eleito.

(Notícia atualizada às 16h10 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há três candidatos para suceder a Centeno no Eurogrupo. Espanha, Irlanda e Luxemburgo na corrida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião