Offline e online? 7 respostas sobre o Web Summit 2020

Primeira edição "híbrida" em Lisboa está marcada para 2 a 4 de dezembro. A seis meses do Web Summit 2020, há muitas dúvidas no ar. Tentamos responder a algumas perguntas.

Lisboa acolherá, pelo quinto ano consecutivo, o evento criado pelo irlandês Paddy Cosgrave. A seis meses do dia D, há muitas dúvidas no ar sobre como vai funcionar o evento desta vez. Tentamos responder a algumas das perguntas, algumas delas ainda sem resposta.

O que é isso de “Web Summit online e offline”?

Dadas as limitações impostas pelas autoridades decorrentes da situação da pandemia, a organização do Web Summit decidiu anunciar, esta quarta-feira, que o evento em Lisboa decorrerá de forma mista — entre o offline, a partir do Altice Arena, em Lisboa, e de outros locais espalhados pelo país e o online, em transmissão direta através do software criado pela organização.

Só em outubro se saberá em que moldes poderá ser feito o acompanhamento do evento no local mas, para já, uma coisa é certa: poderá ser acompanhado de acordo com a mesma dinâmica que está a ser implementada, por estes dias, no Collision from home, evento “irmão” do Web Summit. Com base no software desenvolvido ao longo das últimas semanas pela equipa do Web Summit, o evento que deveria estar a decorrer em Toronto, no Canadá, pode ser acompanhado via app — networking e agenda — e via desktop, no caso das conferências que decorrem em simultâneo e a partir de diferentes partes do mundo.

As datas do evento mantêm-se?

Não. O Web Summit de 2020 estava, desde a edição do ano passado, agendado para a primeira semana de novembro (entre 3 e 6 de novembro). No entanto, a organização anunciou esta quarta-feira que o evento será adiado para os dias 2 a 4 de dezembro, um mês depois das datas inicialmente previstas.

E os preços?

Os bilhetes para o evento estão à venda desde a edição de novembro passado, mas os tipos de bilhete sofreram alterações: a organização lançou dois preços de bilhetes para o público geral, um a 99 dólares que dá acesso ao conteúdo divulgado e ao networking, via app; e outro a 999 dólares, que além de acesso ao conteúdo e a networking, inclui um passe VIP (ao lounge dos oradores). Estes preços são “super early bird” e mantêm-se até 31 de agosto.

Quantas pessoas vão assistir à conferência in loco?

É uma das grandes incógnitas que só será resolvida mais perto do evento. É que, se a organização adiantou esta quarta-feira, em comunicado, que espera chegar aos 100 mil assistentes — número que disparará face aos 70 mil participantes da edição de 2019Paddy Cosgrave confidenciou, em conferência de imprensa, que ainda não é certo o número de pessoas que a organização poderá ter no Altice Arena. “Só em outubro e, com base nas recomendações das autoridades de saúde, poderemos saber o número de pessoas permitido, e essa informação deverá mudar a cada semana”, referiu o irlandês.

Como vai funcionar a conferência?

A ideia é que o que se passa nos diferentes palcos do Web Summit seja transmitido a partir de diferentes localizações. A primeira, e a única conhecida para já, é o Altice Arena onde, nas edições anteriores tem funcionado o palco principal do evento. Segundo adiantou Paddy Cosgrave na conferência de imprensa desta quarta-feira, a organização quer ter, além deste, outros palcos espalhados um pouco por todo o país.

“Não queremos só criar um estúdio em Lisboa, mas ir ao Porto, Coimbra, Faro, e fazer algo em simultâneo. O mundo tem de saber que há muito Portugal para além de Lisboa e, por isso, estamos a pensar em como fazê-lo”, assinalou o irlandês, sublinhando que “quaisquer que sejam as limitações, quero que a edição deste ano possa andar por Portugal. Em dezembro, será incrível que o mundo veja e possa conhecer um pouco mais de todo o país”.

Que novidades traz a edição de 2020?

Sabe-se ainda muito pouco sobre as novidades da edição deste ano. Além de decorrer em formato híbrido, a edição deste ano do Web Summit vai ter, pela primeira vez, um canal dedicado a Portugal. A ideia é que, durante os três dias do evento, passem por esse “palco” virtual centenas de representantes de startups e grandes empresas portuguesas, universidades e outras instituições e que, além desses protagonistas, se fale de cultura, tradições, turismo e arte nacionais.

À semelhança dos anos anteriores, este ano o Web Summit contará ainda com iniciativas associadas a outros movimentos como o INSPIRE program, women in tech, negócios locais de Lisboa ou com as dinâmicas ligadas à Lisboa Capital Verde 2020. Mantém-se também o programa Road2WebSummit, em parceria com a Startup Portugal. Este ano, a organização vai ter 100 lugares disponíveis para startups portuguesas selecionadas pela associação.

E bilhetes grátis?

Por enquanto, a organização adiantou em comunicado que vai ter disponíveis 50.000 bilhetes gratuitos para estudantes e staff de universidades, assim como para recém-licenciados com interesse em criar as suas próprias startups. “Em setembro, cada universidade em Portugal vai receber uma alocação de bilhetes, baseada na sua dimensão, e poderá distribuí-los por estudantes, staff e graduados”, explica a organização do Web Summit em comunicado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offline e online? 7 respostas sobre o Web Summit 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião