Finanças “descativaram” 105 milhões de euros até abril

  • Lusa
  • 26 Junho 2020

O Ministério das Finanças libertou, até abril, 105,2 milhões de euros dos 1.025,5 milhões inscritos no OE para cativações e reserva orçamental.

O Ministério das Finanças libertou, até abril, 105,2 milhões de euros dos 1.025,5 milhões inscritos no Orçamento do Estado para cativações e reserva orçamental, dos quais 35,4 milhões relativos a descativações e 20,3 milhões à reserva.

De acordo com a tabela “Utilização condicionada das dotações orçamentais do OE2020”, presente na Síntese da Execução Orçamental divulgada esta sexta-feira pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), de um total de cativos iniciais de 572 milhões de euros, as Finanças mantêm por descativar 536,6 milhões de euros, o que significa que já foram libertados 35,4 milhões de euros do montante cativo inicialmente.

Já na reserva orçamental, outro dos instrumentos de gestão do Orçamento que as Finanças utilizam para reter verbas, de um total inicial de 453,5 milhões de euros previsto para esta rubrica, mantinham-se sob controlo das Finanças, em abril, 433,2 milhões de euros, levando para 20,3 milhões de euros o montante libertado.

No total, juntando cativos e reserva orçamental, estão por libertar 969,8 milhões de euros até ao final do ano, de um montante inicial de 1.025,5 milhões de euros previsto no Orçamento do Estado.

A reserva orçamental constitui uma cativação de um montante específico nos programas orçamentais, e estão excluídas da aplicação da reserva as entidades pertencentes ao Serviço Nacional de Saúde e ao Ensino Superior. Já uma cativação é uma retenção de parte dos montantes orçamentados para os serviços e organismos do Estado, cuja libertação dessas verbas (descativação) é normalmente sujeita à autorização ministerial.

Dos instrumentos de controlo do Orçamento por parte do Ministério das Finanças, existe ainda a dotação provisional, que corresponde a uma provisão para fazer face a despesas não previstas e inadiáveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças “descativaram” 105 milhões de euros até abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião