Rio diz que “provavelmente” deixa passar Suplementar na votação final

O PSD deverá "provavelmente" deixar passar o Orçamento Suplementar, através da abstenção, na votação final global que se realiza a 3 de março.

Rui Rio anunciou este sábado que o PSD deverá deixar passar o Orçamento Suplementar na votação final global que decorrerá na próxima sexta-feira, 3 de julho. Na generalidade, os social-democratas abstiveram-se, viabilizando a proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2020 entregue pelo Governo no Parlamento.

Nós deixamos passar o Orçamento Suplementar na generalidade e provavelmente na votação final global por uma questão de interesse nacional“, afirmou Rio numa conferência de imprensa após o primeiro encontro do Conselho Estratégico Nacional (CEN) do PSD sob a liderança de Joaquim Miranda Sarmento, o responsável do partido para as finanças públicas. Anteriormente, a estrutura era liderada por David Justino, vice-presidente do PSD.

Para Rui Rio seria “gravíssimo” caso o Orçamento Suplementar não fosse viabilizado, o que poderia deixar o país sem os “meios financeiros para responder aquilo que é necessário” no contexto da crise pandémica.

O líder do PSD deixou claro que prefere viabilizar o Suplementar, mesmo que este conte com “algumas coisas” das quais discorda. Os partidos com assento parlamentar entregaram propostas até quarta-feira e no início da próxima semana decorrem as votações na especialidade, as quais poderão levar a alterações face à proposta entregue pelo Ministério das Finanças.

Mas essa possibilidade “é muito menos importante do que castrar o país, ficando sem meios financeiros”, assinalou Rio, garantindo que “só numa situação limite é que faríamos uma coisa dessas [chumbar o Orçamento Suplementar]”. “Tem a ver com o sentido da responsabilidade do Estado”, concluiu.

Líder do PSD considera que “correu mal” controlo da pandemia em Lisboa e Vale do Tejo

O presidente do PSD, Rui Rio, disse este sábado, em Coimbra, que a ação do Governo no controlo da pandemia da covid-19 “correu mal” nas últimas semanas na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Olhando aos resultados da ação governativa em Lisboa e Vale do Tejo nas últimas duas, três semanas, naturalmente, são dados objetivos que correu mal“, frisou o líder social-democrata, no final da reunião do Conselho Estratégico Nacional do partido.

Aos jornalistas, o dirigente considerou natural que existam críticas ao Governo “sob a forma ao retardador que foi a resposta pública à evolução da pandemia em Lisboa e Vale do Tejo”, quando já existia experiência a lidar com a pandemia.

Instado a dizer o que faria de diferente se liderasse o Governo, Rui Rio não quis referir medidas, mas disse que teria de “introduzir a dinâmica que a Direção-Geral da Saúde (DGS) precisa e de estar também mais atento para responder mais depressa”.

“Sabia o que tinha de fazer do ponto de vista da postura relativamente ao problema e aos serviços”, salientou o líder social-democrata, adiantando que a DGS “não está a responder devidamente”.

Questionado pelos jornalistas, o presidente do PSD referiu ainda que “compreende a colaboração” do Presidente da República com o Governo, embora desde o início do mandato não tenha “estado sempre de acordo” com Marcelo Rebelo de Sousa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio diz que “provavelmente” deixa passar Suplementar na votação final

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião