App de “contact tracing” portuguesa vai ser lançada “em meados de julho”

O INESC TEC prevê lançar a aplicação de "contact tracing" à Covid-19 "em meados de julho" e vai rever a avaliação de impacto, tal como pediu a CNPD.

O INESC TEC ainda não tem data para lançar a aplicação de contact tracing StayAway COVID, que deverá ser a aplicação portuguesa de eleição para o rastreio de cadeias de transmissão da Covid-19 no país. No entanto, o instituto garantiu que prevê poder lançar o aplicativo ao público “em meados de julho”.

“Considerando as condicionantes externas que podem influenciar a disponibilização pública da aplicação, o INESC TEC não consegue indicar, ao dia de hoje, uma data prevista para o seu lançamento, mantendo-se, no entanto, a expectativa de que possa ser em meados de julho”, aponta o instituto, em comunicado. É a primeira vez que o INESC TEC emite publicamente uma orientação deste tipo para uma eventual data de lançamento do aplicativo.

Nesta fase, e tal como o ECO já tinha avançado, a aplicação para Android “aguarda o resultado da revisão por parte da Google”. “A versão para iOS encontra-se pendente de autorização da aprovação da aplicação pela Apple para acesso à interface” de Bluetooth dos iPhones, adianta agora o instituto.

Avaliação de impacto será revista

O INESC TEC vai também rever a avaliação de impacto da aplicação de contact tracing portuguesa StayAway COVID nos dados pessoais dos cidadãos, tal como foi deliberado pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), informou o instituto na mesma ocasião.

“Conforme previsto, na sequência da deliberação emitida, o INESC TEC irá rever a avaliação de impacto, tendo em conta os aspetos críticos sinalizados e as relevantes recomendações emitidas pela CNPD”, lê-se na nota enviada ao final da tarde desta terça-feira.

Na ótica do instituto, “de uma maneira geral, a CNPD concorda com o resultado da avaliação e com as medidas previstas para mitigar os riscos identificados”. Ainda assim, reconhece que a entidade presidida por Filipa Calvão assinalou “a necessidade de, nas próximas revisões, serem endereçados alguns aspetos ainda insuficientemente definidos ou caracterizados”.

“A CNPD aponta, ainda, a necessidade de ser dado enquadramento legal para o funcionamento do sistema e enumera recomendações para a sua utilização futura de forma a atingir-se um nível elevado de proteção, incluindo no que diz respeito à interoperabilidade com aplicações de outros países”, reconhece também o INESC TEC.

Numa deliberação conhecida esta segunda-feira, a CNPD exigiu uma revisão da avaliação de impacto da StayAway COVID nos dados pessoais e privacidade dos cidadãos. Além disso, a CNPD mostrou-se reticente com o facto de a aplicação recorrer a tecnologia desenvolvida pela Google e pela Apple, na medida em que estas empresas poderão mudar as regras do jogo de forma “unilateral”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

App de “contact tracing” portuguesa vai ser lançada “em meados de julho”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião