Associados da Mutualista apelam ao chumbo das contas. Exigem eleições antecipadas

Um grupo de associados da Mutualista Montepio apela ao chumbo das contas de 2019, depois dos prejuízos de mais de 400 milhões de euros. Exigem eleições antecipadas para os órgãos sociais.

Votar contra as contas de 2019 e exigir a convocação de eleições antecipadas. Este é o plano de um grupo de associados da Associação Mutualista Montepio para a assembleia-geral que decorre esta terça-feira no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Com um prejuízo de 408,8 milhões de euros no ano passado, o grupo avisa que, “de ano para ano” a confiança dos associados da Mutualista está “a diminuir”.

“Os gestores procuraram passar o peso dessa desconfiança para a comunicação social e para o facto de as notícias sobre o Montepio serem originadas por más razões (contraordenações do BdP, contraordenações e multas dos seguros, processos de natureza criminal em investigação, etc.). Mas, nas assembleias-gerais, um núcleo ativo de associados, também com ligações profissionais ao grupo, manda e impõe pela sua presença a sua manifestação de apoio e aplauso ao caminho trilhado por Tomás Correia e agora continuado por Virgílio Lima”, critica os signatários Viriato Silva e Carlos Areal, que também são membros do Conselho Geral da instituição.

“É urgente alterar a situação e obrigar os órgãos sociais a convocarem eleições antecipadas e a evitar a gradual e contínua destruição do valor da associação e das poupanças dos associados. Nós votaremos contra o relatório do Conselho de Administração como sinal de protesto pelo caminho seguido”, apontam, assim, os proponentes, num documento a que o ECO teve acesso.

Mas a carta vai ainda mais longe: “Se juntarmos as perdas e imparidades do setor segurador, não andaremos muito longe de 1.000 milhões de euros de poupanças dos associados que, neste momento, estão perdidas. Estas só com um austero plano de recuperação será possível recuperar num prazo que nunca será inferior a 10 anos”, consideram.

Deste modo, o grupo de associados em protesto garante que votará a favor “de qualquer moção ou requerimento que exija eleições antecipadas para a Associação Mutualista e assim permita devolver a palavra aos associados para estes decidirem, sem embustes nem demagogias, os caminhos a trilhar”, escrevem. Fazem, por isso, um apelo: “Compareça na Assembleia. Ajude a pôr fim a este ciclo”, lê-se no documento, datado de 29 de junho de 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associados da Mutualista apelam ao chumbo das contas. Exigem eleições antecipadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião