Transportes públicos não estão associados a novos casos em Lisboa, diz Marta Temido

  • Lusa
  • 1 Julho 2020

A ministra da Saúde afirmou que os transportes públicos não estão associados a nenhum dos novos casos de infeção na região de Lisboa e Vale do Tejo.

A ministra da Saúde afirmou esta quarta-feira que os transportes públicos não estão associados a nenhum dos novos casos de infeção na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT).

“Os transportes públicos não estão associados a nenhum dos novos casos de infeção”, afirmou Marta Temido na comissão parlamentar da Saúde, onde está hoje a ser ouvida.

A questão dos transportes públicos foi levantada pelos partidos da oposição, nomeadamente pelo PSD, que sugeriu que se retirem impostos sobre os táxis e que a empresa municipal EMEL deixe de cobrar estacionamento para facilitar a mobilidade dos cidadãos na área de Lisboa, a mais afetada por novos casos de Covid-19.

O deputado social-democrata Batista Leite mostrou a solidariedade dos sociais-democratas para com a ministra da Saúde, afirmando que “alguns autarcas têm sido desleais para com a senhora ministra” e defendendo que “a critica tem de vir acompanhada de soluções”.

Daí que o deputado tenha proposto algumas soluções “contra um inimigo comum”, nomeadamente “identificar e isolar entradas” no país, testar mais e isolar mais e dar mais força às forças de segurança para que possam manter as pessoas em isolamento.

“A nossa atitude cá dentro tem impactos económicos lá fora”, disse.

De acordo com o deputado social-democrata, “não basta dizer que não é possível manter o distanciamento social nos transportes públicos”, sugerindo que se fechem lugares, se reforcem os autocarros e se utilizem separadores.

“A EMEL tem [de voltar a] deixar de cobrar estacionamento. Temos de garantir distanciamento nos transporte públicos. Porque não se retiram impostos sobre os táxis e as ubers?”, sugeriu, considerando que desta forma os utentes poderiam utilizar menos meios de transporte como os autocarros.

Marta Temido afirmou que hoje foi assinado um despacho conjunto para exigir um teste negativo às pessoas que entrem em Portugal provenientes de “determinadas origens”.

A ministra destacou a entrada de mais 30 médicos de saúde pública a tempo completo para reforçar as equipas que estão a assegurar os inquéritos epidemiológicos na área de saúde de Lisboa e Vale do Tejo (LVT).

Assegurou ainda que até terça-feira à noite não havia testes epidemiológicos em atraso em Lisboa.

Marta Temido reconheceu que há “uma assimetria para corrigir nos próximos concursos” relativamente aos médicos de saúde pública, que em LVT representam apenas 28% do todo nacional”.

Marta Temido realçou ainda que existe uma obrigatoriedade para que as pessoas respeitem as ordens de confinamento, acompanhada de um quadro sancionatório que permite que a violação da obrigação de confinamento faça os incumpridores incorrer na prática de um crime.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transportes públicos não estão associados a novos casos em Lisboa, diz Marta Temido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião