Merkel e Von der Leyen em sintonia sobre urgência na resposta da UE à crise

  • Lusa
  • 2 Julho 2020

Angela Merkel e Ursula Von der Leyen apelaram a um acordo rápido sobre o pacote de recuperação que permita à União Europeia ultrapassar “a maior crise” da sua história.

A chanceler alemã e a presidente da Comissão Europeia coincidiram esta quinta-feira nos apelos a um acordo rápido sobre o pacote de recuperação que permita à União Europeia ultrapassar “a maior crise” da sua história.

Um dia depois de a Alemanha ter assumido a presidência semestral rotativa do Conselho da UE – que assinala o trio de presidências do qual Portugal faz parte -, o Governo alemão e o executivo comunitário celebraram esta quinta-feira uma reunião por videoconferência, no final da qual tanto a chanceler Angela Merkel como a presidente da Comissão, a sua compatriota Ursula von der Leyen, insistiram na urgência de os 27 chegarem a um acordo o quanto antes sobre o Fundo de Recuperação e o orçamento da União para 2021-2027.

Na conferência de imprensa que se seguiu, desde Berlim e Bruxelas, em alemão e sem interpretação simultânea, Merkel insistiu que a UE enfrenta “a situação mais difícil da sua história”, face à crise provocada pela pandemia de covid-19, que, notou, ainda não chegou ao fim.

“A cada dia que passa vemos que o vírus não desapareceu, ainda que tenhamos aprendido a viver melhor com ele”, apontou a chanceler, segundo a qual os números do impacto da crise da covid-19 mostram que é urgente “reativar a economia europeia” e, para tal, é necessária “uma resposta contundente” por parte da UE.

Merkel assumiu de novo como grande prioridade da presidência alemã “a superação da crise”, e defendeu a proposta apresentada em final de maio pela Comissão Europeia – com muitos traços comuns com uma proposta franco-alemã avançada pouco antes -, de um Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros (dois terços dos quais a serem canalizados para os Estados-membros através de subvenções), associado a um Quadro Financeiro Plurianual para os próximos sete anos num montante de 1,1 biliões de euros.

Segundo a chanceler alemã, a proposta que os chefes de Estado e de Governo dos 27 vão discutir no próximo Conselho Europeu de 17 e 18 de julho é uma resposta adequada para ultrapassar a crise, mas também para garantir políticas importantes no futuro como a luta contra as alterações climáticas e a digitalização da Europa.

Por seu lado, Von der Leyen destacou a “enorme pressão” que o calendário impõe para que seja alcançado um compromisso em tempo útil, e exortou os 27 a “olhar além de alguns interesses limitados” e focarem-se nos benefícios para a UE como um todo.

A presidente da Comissão garantiu ainda assim estar otimista num acordo a breve prazo, avançado com duas justificações: constatar que há “unanimidade no Conselho relativamente à necessidade de uma resposta sem precedentes”, assim como quanto à “abordagem, de aproveitar o pacote de 750 mil milhões de euros para investir na modernização do mercado único”.

“Claro que haverá muitos, muitos detalhes a ser negociados, como a dimensão [do Fundo] e questão das subvenções e empréstimos, isso sem dúvida, e a proposta original sofrerá inevitavelmente alterações no processo institucional [envolvendo Conselho e Parlamento Europeu], mas a construção geral não é questionada e isso é muito bom sinal”, sublinhou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Merkel e Von der Leyen em sintonia sobre urgência na resposta da UE à crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião