Mais onze mortes e 374 novos casos de Covid-19. 80% foram na região de Lisboa

Foram identificados 374 novos casos de contágio pelo coronavírus em Portugal nas últimas 24 horas. Número total de pessoas infetadas sobe para 43.156.

Portugal registou 374 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 43.156 o número de infetados desde o início da pandemia. Trata-se de uma taxa de crescimento diária de 0,87%. Nas últimas 24 horas morreram mais onze pessoas com a doença, de acordo com a última atualização ao boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Este é o número diário de mortes mais elevado desde 3 de junho. Com estes óbitos, o número total de vítimas mortais sobe para 1.598, segundo o último balanço da DGS. Quanto ao número de pessoas dadas como recuperadas é agora de 28.424, mais 327 desde a última atualização.

Desde meados de maio que a região de Lisboa e Vale do Tejo tem concentrado as maiores preocupações, sendo já a região do país com o maior número de casos confirmados desde que o surto foi detetado no país, a 2 de março. Assim, foram identificados 300 novos casos nesta região, o que representa cerca de 80,2% do total nacional. Isto significa que oito em cada dez novos casos foram detetados nesta região, nas últimas 24 horas.

Boletim epidemiológico de 3 de julho

A nível regional, em termos acumulados, Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, com 19.956 casos e 491 mortes, seguida pelo Norte (17.664 casos e 819 óbitos). Segue-se o Centro (4.137 casos e 248 mortes), o Algarve (649 casos e 15 mortes) e o Alentejo (507 casos e dez óbitos). Nas regiões autónomas, os Açores contabilizam 151 casos e 15 falecimentos, enquanto a Madeira regista 92 pessoas infetadas.

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados recupera em casa, sendo que 495 estão internadas (menos 15 do que ontem), das quais 72 em unidades de cuidados intensivos (menos cinco do que no balanço anterior). Há 879 pessoas a aguardar resultados laboratoriais, enquanto 31.433 estão sob vigilância das autoridades de saúde.

Erro no reporte exclui 200 casos e uma morte

No briefing desta tarde, a ministra da Saúde Marta Temido explicou que houve um erro no reporte de novos casos nos últimos três dias, por parte de um parceiro privado em Lisboa e Vale do Tejo, com 200 casos que não foram incluídos corretamente. O mesmo aconteceu com uma vítima mortal na região centro. Assim, há alterações entre os números divulgados esta sexta-feira.

Marta Temido explicou que há duas centenas de casos que não estão detalhados no boletim. “Estes 200 casos têm que ser verificados para se saber a que dias correspondem e se efetivamente correspondem a situações de novos casos ou, porventura, têm qualquer outra circunstância que precisamos de atender”, rematou.

Além do erro, a ministra da Saúde reforçou a preocupação sobre a região de Lisboa e Vale do Tejo. “Os números não são ainda aqueles que gostaríamos e teremos de continuar a empenhar o nosso melhor esforço para diminuir a progressão epidémica. Isso envolve trabalho das equipas de saúde pública, das equipas de medicina geral e familiar, das equipas laboratoriais e de nós todos”, sublinhou.

Decisão do Reino Unido não foi justificada

Questionada sobre o facto de o Reino Unido não ter incluído Portugal nos corredores aéreos, a ministra afirma que a situação epidemiológica portuguesa não justifica esta decisão, sobretudo quando comparada com a do Reino Unido, mas espera por “uma próxima avaliação”.

Recordou ainda que o Centro Europeu de Doenças refere que estas não são “as medidas mais adequadas para controlar a pandemia”, fazendo ainda referência às declarações da comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, que, em entrevista à TSF e Diário de Notícias disse que Portugal “mostra claramente como a situação é frágil”. “Não podemos baixar a guarda nem dar determinados estados por adquiridos”, concluiu, Marta Temido.

(Notícia atualizada às 20h43)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais onze mortes e 374 novos casos de Covid-19. 80% foram na região de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião