António Horta Osório vai deixar presidência do Lloyds Bank em 2021

  • Lusa e ECO
  • 6 Julho 2020

O banqueiro português vai abandonar a liderança do banco britânico em junho do próximo ano.

Depois de uma década ao leme do banco Lloyds, António Horta Osório prepara-se para deixar o cargo. O banqueiro português vai deixar a presidência do banco britânico em junho do próximo ano. Esta saída faz parte de um conjunto de mudanças na equipa de topo do banco, sendo que o Lloyds anunciou já que Robin Budenberg será o novo chairman, em 2021, sucedendo a Lord Blackwell.

Numa nota de imprensa, o Lloyds Banking Group realça que António Horta Osório entende que “as pessoas não se devem perpetuar nos cargos, para benefício das instituições e dos próprios”. “Horta Osório decidiu deixar o cargo de CEO do Lloyds em 2021 após uma década de enorme importância para o maior banco de Inglaterra e altamente desafiante para o gestor”, adianta.

A saída do presidente executivo acontece após terminar o terceiro plano estratégico para o período 2018 – 2020, “que tinha como principais objetivos preparar o banco para um mundo digital e contribuir para a transição do Reino Unido para uma economia de baixo carbono”.

“Ao longo dos próximos 12 meses, Horta Osório vai concluir a implementação do plano estratégico apresentado em 2018, continuar a liderar a resposta do banco aos enormes desafios colocados pelas consequências económicas da pandemia e assegurar a transição da liderança da instituição de uma forma tranquila e organizada”, adianta a nota.

Numa declaração do presidente executivo citada na nota, António Horta Osório refere: “É com um misto de emoções que anuncio a minha intenção de deixar o Lloyds Banking Group em junho do próximo ano. Foi um enorme privilégio ter contado com o apoio de uma equipa extraordinária, tanto no Conselho de Administração como no Conselho Executivo, com a qual vou continuar a contar até terminarmos a implementação do nosso plano estratégico, contribuindo para transformar o Grupo no banco do futuro.

Também numa citação, o chairman do Lloyds, Lord Blackwell, diz querer aproveitar esta oportunidade para homenagear a “extraordinária contribuição do António Horta Osório, ao longo da última década, primeiro liderando o ‘turnaround’ e, depois, o desenvolvimento estratégico do Grupo”.

“O seu compromisso pessoal e a sua forte visão conduziram a um período de mudanças massivas e bem-sucedidas no Grupo, devolvendo o Lloyds à sua posição de destaque para ajudar o Reino Unido a prosperar como principal banco comercial e de retalho do país”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Horta Osório vai deixar presidência do Lloyds Bank em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião