Câmara de Lisboa vai promover gratuitidade das bicicletas Gira

  • Lusa
  • 9 Julho 2020

A gratuitidade, a título experimental, das Gira para estudantes, residentes e trabalhadores foi aprovada por unanimidade.

A Câmara de Lisboa aprovou, esta quinta-feira, uma proposta para promover, a título experimental, a gratuitidade da rede de bicicletas partilhadas Gira para estudantes, residentes e trabalhadores. O documento foi apresentado pelo PCP, em reunião privada do executivo municipal, tendo sido aprovado por unanimidade.

O objetivo é criar “passes mensais específicos com disponibilidade de horas para uso destes equipamentos dirigido a residentes no concelho de Lisboa e a estudantes que frequentem estabelecimentos de ensino localizados em Lisboa, bem como os trabalhadores com local de trabalho habitual no concelho”.

Entre o conjunto de medidas sugeridas pelos vereadores do PCP, destacam-se ainda o reforço do número de bicicletas do sistema Gira, o alargamento do serviço a toda a cidade, assim como a criação de um plano de ciclovias que efetive a concretização de uma rede e que interligue vários troços.

A câmara, liderada pelo PS, deverá também “proceder à reparação das ciclovias” e reforçar a “sinalização vertical e horizontal, inclusive nas vias partilhadas, assegurando o direito de mobilidade aos peões e de circulação dos utilizadores de bicicleta em segurança”.

Além disso, o executivo vai avaliar “a criação de uma linha específica de apoio ao financiamento para reparação de bicicletas usadas para particulares, até ao montante máximo de 80 euros, estabelecendo para o efeito uma rede com as oficinas de bicicletas situadas na cidade de Lisboa”.

Um dos aspetos que mais pode contribuir para a qualidade de vida das pessoas são boas acessibilidades, boa cobertura na rede de transportes públicos, qualidade no serviço e modos de mobilidade facilitadoras que tornem próximo o que está longe”, defendem os comunistas no texto da proposta.

O desenvolvimento de uma iniciativa mensal de encontro e passeio de bicicleta na capital, de cariz intergeracional, é outro dos pontos aprovados hoje por unanimidade.

Na sessão, a Câmara de Lisboa aprovou também, unanimemente, uma proposta do PSD para “dar instruções à EMEL [Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa] para que sejam colocadas estações Gira em vários locais das freguesias de Campolide, Campo de Ourique, Alcântara, Ajuda e Belém, o mais rapidamente possível, de forma a melhor servir as populações, garantindo as condições de saúde, segurança e sustentabilidade económica na mobilidade urbana”.

Os sociais-democratas destacam que estas freguesias “não estão contempladas pela rede de metropolitano, são servidas por carreiras da Carris que muitas vezes não são suficientes ou têm muitas limitações de horários, além de que não têm soluções de estacionamento para o transporte em veículo individual nem possuem qualquer posto de bicicletas Gira”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa vai promover gratuitidade das bicicletas Gira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião