Exame à fusão Aon-WTW pode sofrer atraso nos EUA

  • ECO Seguros
  • 15 Julho 2020

A divisão de concorrência do Departamento de Justiça dos Estados Unidos solicitou informação e documentos adicionais para avaliação do processo de aquisição da Willis Towers Watson (WTW) pela Aon Plc.

O extenso acervo de informação regulamentar distribuída a acionistas – junto com as convocatórias para as assembleias-gerais extraordinárias da Aon e da WTW (a 26 de agosto), para que os acionistas votem a operação acordada entre duas companhias -, faz referência a questões colocadas pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ).

Na sequência da troca de notificações iniciada no final de abril (com resposta efetiva da Aon a 28 de maio), a divisão antitrust do DoJ enviou segundo pedido (Second Request) de informação e documentos a 29 de junho. De acordo com o referenciado, sem especificação das questões que o DoJ coloca às duas empresas, os prazos limite de resposta neste tipo de procedimento pode envolver “um período de tempo significativo” até que se cumpram os requisitos de informação e documentação solicitada, lê-se (em língua inglesa) na parte dedicada a “United States Antitrust”, 1º parágrafo da página 25 das folhas sobre “perguntas e respostas” sobre a transação.

Na prática, um atraso no processo de aprovação da fusão nos EUA, poderá demorar a conclusão efetiva da operação prevista para março ou, em alternativa, junho ou setembro de 2021, segundo dadas constantes do mesmo documento.

No entanto, uma vez que, de acordo com a lei, as partes e o DoJ podem acordar nova data para conclusão dos procedimentos de avaliação da consolidação no quadro regulatório dos EUA, as AG previstas para 26 de agosto mantêm-se. Aliás, paralelamente ao exame das autoridades nos EUA, a transação terá de passar o crivo das autoridades da concorrência da União Europeia e de outras jurisdições onde as empresas têm negócios.

Segundo anunciado no inicio de março, Aon e WTW acordaram a fusão, com diluição do capital de uma na outra, pela qual a segunda se tornará subsidiária integralmente detida pela primeira. A combinação, por um montante estimado de 30 mil milhões de dólares (mais d 26 mil milhõe de euros), constitui a maior aquisição de sempre na história da Aon Plc.

Em resultado da combinação, a Aon deverá emergir como a maior corretora de seguros do mundo, relegando a Marsh para o segundo lugar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exame à fusão Aon-WTW pode sofrer atraso nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião