“Estamos em condições de aprovar proposta de Charles Michel” para Plano de Recuperação, diz António Costa

Esta posição surge depois de terem ficado resolvidas, durante esta tarde, as questões que mais preocupavam Portugal: redução nas verbas no segundo pilar da PAC e cofinanciamento na Madeira e Açores.

O primeiro-ministro garante que o país está em condições de “entrar no Conselho Europeu e aprovar a proposta de Charles Michel para o plano de recuperação e Quadro Financeiro Plurianual. Esta posição surge depois de terem ficado resolvidas, durante esta tarde, as questões que mais preocupavam Portugal.

“As duas questões que ainda estavam em aberto, sobre a redução nas verbas no segundo pilar da Política Agrícola Comum e cofinanciamento dos programas para as regiões autónomas, ficaram resolvidas na parte da tarde”, adiantou António Costa, em Bruxelas para o Conselho Europeu que irá decorrer nos próximos dois dias, em declarações transmitidas pelas televisões.

O primeiro-ministro mostra-se convicto, depois de ter encontros com vários líderes europeus, de que há uma “vontade generalizada que haja entendimento” para este programa de recuperação. Apesar de assumir que ainda há países que colocam ainda divergências, Costa indica que os problemas não são impossíveis de superar. “Se houver vontade política haverá acordo”, reitera.

O objetivo é que tanto o programa de recuperação económica como o Quadro Financeiro Plurianual estejam em vigor a 1 de janeiro, aponta o primeiro-ministro, que reforça assim a necessidade de chegar a acordo já na reunião deste fim de semana.

Costa adiantou ainda que está “fora do horizonte” utilizar Mecanismo Europeu de Estabilidade. “O que temos previsto utilizar é parte do SURE para financiar parte do esforço que temos vindo a fazer com o financiamento do emprego através do lay-off”, refere o primeiro-ministro, afastando o recurso a outras linhas devido à posição de mercados.

(Notícia atualizada às 20h25)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Estamos em condições de aprovar proposta de Charles Michel” para Plano de Recuperação, diz António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião