Morais Leitão assessora EDP em oferta pública de 1.020 milhões no âmbito da aquisição da Viesgo

A Morais Leitão assessorou a EDP num aumento de capital por emissão de cerca de 310 milhões de novas ações no âmbito da aquisição da Viesgo.

A Morais Leitão, através de equipa de corporate, M&A e mercados de capitais liderada pelo sócio Ricardo Andrade Amaro e que incluiu ainda os sócios Nuno Galvão Teles e Carlos Osório de Castro, a advogada sénior Diana Ribeiro Duarte e os associados Pedro Capitão Barbosa, Helder M. Mourato e Inês Agapito, assessorou a EDP num aumento de capital por emissão de cerca de 310 milhões de novas ações no âmbito da aquisição da Viesgo (detentora de redes de distribuição de eletricidade no Norte de Espanha, ativos renováveis em Espanha e Portugal e centrais térmicas em processo de desmantelamento).

O aumento de capital foi estruturado como uma oferta pública no valor de cerca de € 1.020M com subscrição totalmente garantida por um sindicato de bancos internacionais, representando um total de aproximadamente 8,45% do capital social da EDP. Por sua vez, a transação global é uma das maiores de sempre empreendidas pela EDP e tem por base um Enterprise Value para a Viesgo de cerca de € 2.700M.

Foi uma operação realizada em condições muito adversas no contexto das limitações impostas pela pandemia COVID-19,”assumindo particular complexidade jurídica pela sua dimensão e timings ambiciosos”, segundo comunicado do escritório.

A Clifford Chance LLP prestou assessoria jurídica à EDP na oferta internacional.

O intermediário financeiro responsável pela assistência à oferta é o BCP, o qual (juntamente com os outros coordenadores globais da oferta, J.P. Morgan e Morgan Stanley) contou com a assessoria jurídica dos escritórios Vieira de Almeida & Associados e Allen & Overy LLP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morais Leitão assessora EDP em oferta pública de 1.020 milhões no âmbito da aquisição da Viesgo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião