Com o hidrogénio em mira, Dourogás investe 1,2 milhões em novo posto de gás para veículos

Na calha estão já novos investimentos, que incluem o upgrade dos postos GNV para postos de hidrogénio e outros gases renováveis, como o biometano (Bio-GNV).

O Grupo Dourogás acaba de inaugurar um novo posto de abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV) a norte, na área de Serviço da BP na A41, na Maia. O investimento foi de 1,2 milhões de euros e com esta nova localização a empresa consegue fazer chegar este combustível a todo o território nacional, com uma rede de dez postos comerciais. Além de outros gases renováveis, a Dourogás produz gás natural renovável em Mirandela e já o incorpora no portefólio disponibilizado aos clientes.

Na calha estão já novos investimentos, que incluem o upgrade dos postos GNV para postos de hidrogénio e outros gases renováveis, como o biometano (Bio-GNV). Atualmente, 17% do gás veicular comercializado no espaço europeu já é de origem renovável. “O gás natural (com incorporação de hidrogénio e gases renováveis) assume-se como a melhor forma de descarbonizar no presente. E temos a certeza que o hidrogénio permitir-nos-á descarbonizar a 100% no futuro. Por isso, temos em curso um ambicioso plano de investimentos estruturantes nestas duas áreas”, disse uno Moreira, presidente executivo do grupo Dourogás,

De acordo com a empresa, este posto nasce de uma parceria com a BP Portugal e está preparado para misturas com hidrogénio e gases renováveis, no futuro, e integra a rede do consórcio Eco-Gate, que construiu uma rede europeia de postos GNV nos corredores de abastecimento, em quatro países: Portugal, Espanha, França e Alemanha, refere a empresa em comunicado.

“O investimento no posto GNV da Maia insere-se nesta estratégia, podendo no futuro vir a disponibilizar hidrogénio verde, fruto dos projetos de Investigação e Inovação já lançados. Ao substituir outras fontes de energia mais poluentes, nomeadamente as derivadas do petróleo, o GNV – comprimido ou líquido – permite a redução da intensidade carbónica do ecossistema da mobilidade, o que contribui para a sustentabilidade ambiental e tem melhorado a qualidade do ar nas cidades”, explica a empresa, que diariamente abastece mais de 600 viaturas (pesados, ligeiros e gama média).

Na visão de João Filipe Jesus, diretor-geral da Dourogás GNV, empresa do Grupo Dourogás, “este novo investimento responde a uma tendência crescente no mercado português, a mobilidade a gás natural. Em 2019 o número de viaturas movidas a GNV praticamente duplicou em Portugal. Uma rota de crescimento que se manteve durante os primeiros meses deste ano, o que se traduz numa frota de aproximadamente um milhar de veículos a GNV a circular em território nacional – entre viaturas pesadas de transporte de passageiros e de mercadorias, furgões, viaturas de recolha de resíduos, além de ligeiros, viaturas comerciais, táxis e TVDE’s.

Em Espanha, por exemplo, já circulam mais de 22 mil viaturas a GNV. A Dourogás quer colocar Portugal no mesmo patamar. Nos últimos anos, o grupo mais do que duplicou os pontos de abastecimento, estando presente em locais fronteiriços de grande tráfego pesado de mercadorias (Vilar Formoso e Elvas), em grandes áreas logística nacionais (como Carregado, Palmela e, agora, Maia), e ainda em municípios como Porto, Loures, Mirandela e Vila Real.

Com a Biogasmove, a Dourogás produz biometano a partir de resíduos orgânicos. Este gás 100% renovável alimenta, atualmente, uma frota de veículos da empresa intermunicipal Resíduos do Nordeste (na região de Trás-os-Montes), a partir da biodigestão e valorização energética da matéria orgânica recolhida por essas mesmas viaturas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com o hidrogénio em mira, Dourogás investe 1,2 milhões em novo posto de gás para veículos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião