Sassoli faz depender aprovação do acordo a melhoria do documento

  • Lusa
  • 22 Julho 2020

David Sassoli mostrou-se “satisfeito” com o acordo do Conselho Europeu para combater a pandemia, mas insistiu em “melhorias” no orçamento da União Europeia (UE) a longo prazo.

O presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, manifestou-se esta quarta-feira “satisfeito” com o acordo do Conselho Europeu para relançamento da economia europeia pós-crise da Covid-19, mas insistiu em “melhorias” no orçamento da União Europeia (UE) a longo prazo.

“Estamos muito satisfeitos pela visão que foi confirmada pelo Conselho Europeu para uma resposta partilhada à crise”, declarou David Sassoli, falando em conferência de imprensa em Bruxelas sobre o acordo alcançado na madrugada de terça-feira pelos chefes de Governo e de Estado da UE.

Para o presidente da assembleia europeia, foi “bom” que os líderes europeus tenham abdicado de “ideias preconcebidas”, ao terem feito “cedências” durante as discussões, que duraram cinco dias e quatro noites, num total de mais de 90 horas.

“Eles discutiram e chegaram a compromissos e a democracia é isto”, realçou David Sassoli, comparando esta cimeira com uma anterior, em fevereiro passado, na qual “tudo parecia um tabu” no que toca às respostas económicas à crise.

Em sentido inverso, neste Conselho Europeu, “não só foi realçada a dimensão de comunidade, como também reforçada a ideia de que a Europa deve enfrentar isto em conjunto”, destacou.

Para o presidente do Parlamento Europeu, foi também “muito importante” que o Conselho Europeu tenha mantido o montante total do Fundo de Recuperação para a crise gerada pela pandemia de covid-19.

Menos positiva foi a avaliação de David Sassoli sobre o acordo para o Quadro Financeiro Plurianual 2021-2017:Há uma proposta em cima da mesa, mas queremos melhorá-la”.

Frisando que “há coisas que têm de ser corrigidas” no documento durante as negociações com o Parlamento Europeu, instituição que tem a palavra final na aprovação, o responsável italiano vincou ser necessário “dar resposta a alguns cortes injustificados”.

“Não podemos cortar no orçamento para investigação nem pôr em causa os jovens e programas como o Erasmus”, precisou David Sassoli, notando também ser “necessário clarificar a política migratória para evitar cortar verbas nessa área”.

Assinalando que a assembleia europeia “está pronta para discutir”, o responsável defendeu “rápidas negociações”, que tornem, desde logo, o orçamento da UE a longo prazo “mais útil para os cidadãos”.

O Conselho Europeu aprovou na madrugada de terça-feira um acordo para retoma da economia comunitária pós-crise covid-19, num pacote total de 1,82 biliões de euros.

Numa cimeira histórica, a segunda mais longa da União Europeia, foi aprovado um Quadro Financeiro Plurianual para 2021-2027 de 1,074 biliões de euros e um Fundo de Recuperação de 750 mil milhões.

Deste Fundo de Recuperação, 390 mil milhões de euros serão atribuídos em subvenções (transferências a fundo perdido) e os restantes 360 mil milhões em forma de empréstimo.

Ao todo, Portugal vai arrecadar 45 mil milhões de euros em transferências nos próximos sete anos, montante no qual se incluem 15,3 mil milhões de euros em subvenções no âmbito do Fundo de Recuperação e 29,8 mil milhões de euros em subsídios do orçamento da UE a longo prazo 2021-2027.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sassoli faz depender aprovação do acordo a melhoria do documento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião