Bankinter afasta compras em Portugal. Moratórias superam 1.000 milhões de euros

"A nossa ideia é continuar a crescer de forma orgânica em Portugal", afirmou esta quinta-feira a presidente do Bankinter, Maria Dolores Dancausa. "Não planeamos fundir com ninguém, nem comprar nada".

A pandemia parece ter reduzido o apetite comprador do Bankinter em Portugal, que continua a ver o mercado português com grande potencial, mas onde a ideia é crescer de forma orgânica. Com as moratórias no crédito, o banco já apoiou famílias e empresas em mais de 1.000 milhões de euros.

“Quanto à nossa estratégia para Portugal, segue a mesma tónica da que temos estabelecida para Espanha”, afirmou Maria Dolores Dancausa, presidente do grupo bancário espanhol Bankinter, em conferência de apresentação de resultados do semestre.

“Acreditamos que temos um potencial enorme de crescimento em Portugal, como mostram os resultados, que são muito positivos. A nossa ideia é continuar a crescer de forma orgânica. Com a quota de mercado temos muito de mostrar para ser um ator relevante na banca portuguesa”, referiu a líder do banco espanhol. Antes, questionada sobre eventuais aquisições em Espanha, Maria Dolores Dancausa falou em “estabilidade total”. “Não planeamos fundir com ninguém, nem comprar nada”.

As afirmações da presidente do Bankinter revelam um resfriar do interesse em eventuais oportunidades, isto depois de, em fevereiro, antes do impacto da pandemia, o country manager em Portugal, Alberto Ramos, ter admitido que “a seu tempo, se surgir oportunidade, o banco irá avaliar” a aquisição do Novo Banco.

Ainda assim, Dancausa sublinhou que o negócio em Portugal está a crescer em todas as linhas e que o interesse no mercado português é de longo prazo.

Em Portugal, o Bankinter registou um resultado de 17 milhões de euros no primeiro semestre do ano, metade do que havia obtido em igual período do ano passado. A penalizar as contas estiveram dotações extraordinárias por causa da crise, na casa dos oito milhões de euros.

O banco adiantou que já concedeu um montante total de moratórias no crédito no valor de cerca de 1.000 milhões de euros em Portugal, dos quais 570 milhões são moratórias da casa e os outros 40 milhões são moratórias no crédito ao consumo. Adicionalmente, já concedeu 430 milhões de euros em moratórias no segmento empresarial. No total, as moratórias representam cerca de 15% da carteira de crédito do Bankinter Portugal.

(Notícia corrigida às 15h50 com valores das moratórias)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankinter afasta compras em Portugal. Moratórias superam 1.000 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião