Lucro do Bankinter cai 64,7% com provisões para enfrentar a Covid-19

  • Lusa
  • 23 Julho 2020

Os resultados antes de impostos do Bankinter Portugal no primeiro semestre do ano foram de 17 milhões de euros, menos 50% do que no mesmo período de 2019, devido às maiores provisões feitas este ano.

O banco espanhol Bankinter teve um lucro de 109,1 milhões de euros no primeiro semestre de 2020, uma queda de 64,7% em relação ao mesmo período do ano passado, devido a provisões extraordinárias feitas de 192,5 milhões.

No relatório de atividade enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, o banco destaca que as reservas foram criadas “para afrontar a alteração do cenário macroeconómico” cujo principal fator foi a crise criada pela pandemia de Covid-19.

O Bankinter sublinha que de janeiro a junho teve um rácio de rentabilidade sobre o capital investido (ROE) de 7,6% e um rácio de crédito malparado de 2,5%, enquanto a solvência do banco medida através do rácio de capital CET1 fully loaded foi de 11,8%.

No que diz respeito ao balanço do grupo bancário, o total do ativo em 30 de junho era de 92.829 milhões, mais 12,2% do que no final do primeiro semestre de 2019.

O crédito total concedido a clientes atingiu 63.613,2 milhões de euros, 7,4% superior ao do primeiro semestre de 2019.

A entidade bancária afirma que, sem tomar em consideração a contribuição do EVO Bank, o crescimento da carteira de empréstimos em Espanha teve um crescimento de 6,9%, em comparação com um crescimento de 2,3% do setor, segundo dados do Banco de Espanha.

Os resultados antes de impostos do Bankinter Portugal no primeiro semestre do ano foram de 17 milhões de euros, menos 50% do que no mesmo período de 2019, devido às maiores provisões feitas este ano para enfrentar a evolução macroeconómica, assim como à libertação de provisões que tiveram lugar durante o ano passado e anterior.

O negócio recorrente em Portugal teve “um bom desempenho”, com todas as margens da conta a crescerem “a um bom ritmo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro do Bankinter cai 64,7% com provisões para enfrentar a Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião