No primeiro dia em bolsa, 26 milhões de direitos da EDP mudaram de mãos

Direitos valorizaram quase 5% na sessão e fecharam a valer 11,10 cêntimos, apresentando um prémio de 1,29% em relação ao preço das ações.

Os direitos para comprar novas ações da EDP começaram, esta quinta-feira, a negociar na bolsa de Lisboa. Após uma montanha russa em que o preço destes ativos chegou a disparar 18% e em que as negociações estiveram suspensas várias vezes, acabaram por fechar a valer 11,10 cêntimos.

Os títulos fecharam a primeira sessão de negociação com um ganho de 4,7% face à cotação inicial. Já em relação às ações da EDP — que fecharam com uma perda de 0,04% para 4,546 euros –, o prémio é de 1,29%, o que demonstra o forte apetite dos investidores. Ao longo da sessão, foram transacionados 26.237.174 direitos (0,73% do total disponível).

Ao longo da sessão os direitos chegaram mesmo a custar 12,50 cêntimos aos investidores. O valor dos direitos tende a acompanhar a cotação da EDP, já que o ativo subjacente é o mesmo, mas nem sempre o caso. O desequilíbrio refletiu o forte apetite dos investidores pela operação de aumento de capital.

Momentos como este tendem a ser aproveitados por alguns investidores para fazerem arbitragem, operações em que tiram partido dos desequilíbrios no mercado, praticamente sem risco.

Mas a distorção levou também a que fosse acionado um mecanismo de circuit breaker da bolsa. O elevado fluxo de ordens a preços díspares faz acionar um leilão, levando à suspensão dos títulos até que seja encontrada uma correspondência que forme um novo preço. Aconteceu oito vezes ao longo do dia, segundo a Euronext Lisbon.

Fonte oficial da bolsa nacional confirmou ao ECO que “a negociação dos direitos da EDP esteve interrompida hoje [quinta-feira] devido ao mecanismo dos collars (interrupção momentânea da negociação quando o título atinge variações de preço significativas)”.

Estes direitos permitem aos investidores adquirir as novas ações que a EDP vai emitir e entraram na bolsa. Há 3,6 mil milhões destes títulos para transacionar e é necessário ter 11,75 direitos para subscrever cada nova ação a 3,30 euros. No total, a elétrica vai aumentar o capital em 1.020 milhões de euros, em parte para financiar a compra da empresa espanhola Viesgo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

No primeiro dia em bolsa, 26 milhões de direitos da EDP mudaram de mãos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião