Parlamento Europeu aprova resolução em que rejeita acordo europeu

  • Lusa
  • 23 Julho 2020

A resolução teve 465 votos a favor, 150 contra e 67 abstenções, levando assim o PE a contestar o orçamento “na sua forma atual” e alertando que “está preparado para recusar a aprovação".

O Parlamento Europeu (PE) ameaça rejeitar o acordo alcançado pelos 27 no Conselho Europeu, se este não for “melhorado”, salientando os riscos dos “cortes” previstos na proposta, numa resolução votada esta quinta-feira.

O PE debateu e votou hoje uma resolução sobre os resultados da recente cimeira europeia, que durou cinco dias e que ficou marcada pela aprovação de um acordo para a retoma da economia da União Europeia pós-crise covid-19. A resolução teve 465 votos a favor, 150 contra e 67 abstenções, levando assim o PE a contestar o orçamento “na sua forma atual” e alertando que “está preparado para recusar a aprovação (…) até que seja alcançado um acordo satisfatório.

O PE lamenta “os importantes cortes na componente de subvenções” e pede que seja envolvido na participação no instrumento de recuperação para assegurar a sua aplicação de forma “transparente e democrática”. Na resolução hoje votada, os eurodeputados mostram-se insatisfeitos com os cortes em programas no âmbito do Quadro Financeiro Plurianual (QFP), para 2021-2027, nomeadamente nas áreas da investigação, da transição digital, do clima e da juventude.

O PE lamenta ainda o facto de o Conselho Europeu ter “enfraquecido significativamente” os esforços da Comissão e do PE para defender o Estado de Direito. Os eurodeputados consideram que “os chefes de Estado e de Governo da UE se eximiram a dar resposta à questão do plano de reembolso do instrumento de recuperação”.

Os eurodeputados lembram que, perante esta constatação, restam três opções: novos cortes nos programas europeus, um aumento das contribuições dos Estados-Membros ou a criação de novos recursos próprios. Assim, o PE diz-se “preparado para não dar a sua aprovação ao QFP enquanto não for alcançado um acordo satisfatório nas próximas negociações”.

Ainda assim, os eurodeputados dizem esperar que sejam feitas alterações para que seja possível atingir um acordo “o mais tardar até final de outubro”, para que não fique comprometido o arranque dos novos programas a partir de 01 de janeiro de 2021. Para tal, o PE diz estar disponível para negociar “reforços específicos” de programas europeus no QFP, que não devem ser colocados em risco, incluindo o Horizonte Europa, o InvestEU, o Erasmus+, o Fundo para uma Transição Justa e o Programa Europa Digital.

A resolução hoje aprovada diz ainda que não dará a sua aprovação ao QFP sem um acordo sobre a reforma do sistema de receitas próprias da União Europeia, incluindo a introdução de um cabaz de recursos próprios novos, que deverá ter como objetivo cobrir os custos relacionados com o instrumento de recuperação económica.

Os eurodeputados lembram que, caso um novo QFP não seja adotado a tempo, o Tratado sobre o Funcionamento da UE prevê uma prorrogação temporária dos limites máximos do último ano do presente QFP (ou seja, 2020), o que permitia sua compatibilização com o plano de recuperação e com a aprovação dos novos programas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento Europeu aprova resolução em que rejeita acordo europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião