Bens arrestados pela Justiça mais que duplicam em 2019

  • ECO
  • 24 Julho 2020

O DCIAP tinha arrestado bens no valor de 8,4 milhões de euros em 2018. Um ano depois, o montante alcançou os 19,2 milhões, a esmagadora maioria dos 28,6 milhões apreendidos pelo MP no total.

O valor dos bens arrestados pela Justiça em processos de criminalidade altamente organizada mais do que duplicou no ano passado, de acordo com o mais recente relatório anual do Ministério Público. A notícia foi avançada pelo Público (acesso condicionado).

Segundo o jornal, o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) tinha promovido arrestos no valor de 8,4 milhões de euros em 2018, montante que passou para 19,2 milhões de euros em 2019. Deste modo, o DCIAP deu o maior “contributo” para o bolo de 28,6 milhões de euros em património apreendido no ano passado.

O mecanismo de arresto destina-se a evitar que suspeitos de terem praticado crimes possam esconder ou dissipar riqueza que se presuma ter sido obtida de forma ilegal. Estes arrestos são mais comuns em grandes processos judiciais como medida preventiva.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bens arrestados pela Justiça mais que duplicam em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião