Museus, palácios e monumentos com descontos até 45% a partir de hoje

Ao todo são mais de 60 espaços que os portugueses podem visitar de "norte a sul" do país com preços reduzidos. Descontos variam entre os 25%, para pessoas singulares, e os 45%, para famílias.

O Ministério da Cultura lançou uma campanha de descontos no acesso a museus, palácios, monumentos e espaços arqueológicos nacionais. A iniciativa arranca esta segunda-feira e prolonga-se até ao final de setembro, sendo que os descontos variam entre 25% para pessoas singulares e 45% para agregados familiares.

Ao todo são mais de 60 espaços que os portugueses podem visitar de “norte a sul” do país com preços especiais. Com 17 itinerários diferentes, este programa prevê descontos de 25% no preço original de um só bilhete, bem como de 45% para agregados familiares, que “podem ir até 10 pessoas, com ascendentes e descendentes”, explica o comunicado da tutela.

Entre os 17 itinerários criados, consta “um dedicado a Conventos e Mosteiros, outro dedicado ao Património da Unesco, outro ainda à Arqueologia e diversos organizados por regiões ou locais”, como, por exemplo, o Eixo Ajuda-Belém, que inclui vários monumentos emblemáticos como “o Palácio Nacional da Ajuda, o o Mosteiro dos Jerónimos, o Museu Nacional dos Coches, o Museu Nacional de Arqueologia, a Torre de Belém, o Museu de Arte Popular e o Museu de Etnologia Popular, pelo valor individual de 28 euros e familiar de 55 euros“, lê-se. A lista completa de itinerário e locais pode ser consultada, aqui.

Além disso, os visitantes têm sete dias para usufruírem dos bilhetes e visitarem os diversos museus palácios, monumentos e espaços arqueológicos incluídos dos itinerários, sendo que o “bilhete-circuito” pode ser adquirido em qualquer um dos espaços abrangidos pelo programa.

Com este programa, o Governo pretende “fomentar a participação cultural dos portugueses em todo o território nacional, aproveitando um período em que as famílias procuram opções de lazer e cultura para as suas férias”, revela a secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira, citada na nota de imprensa.

A iniciativa estende-se “até ao final de setembro de 2020″ e resulta de um protocolo assinado entre a Direção Geral do Património Cultural (DGPC) e as Direções Regionais de Cultura (DRC).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Museus, palácios e monumentos com descontos até 45% a partir de hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião