BCE diz aos bancos para não pagarem dividendos até ao final do ano

Banco central prolongou a recomendação para que os bancos da área do euro não paguem dividendos até ao final do ano. Pede "moderação" nos bónus aos gestores.

O Banco Central Europeu (BCE) decidiu prolongar a recomendação aos bancos da Zona Euro para que não distribuam dividendos até ao final do ano. A medida, que já era esperada, a que se junta o alívio nos rácios regulamentares, pretende garantir que as instituições estão preparadas para enfrentar o choque provocado pela crise pandémica.

A entidade liderada por Christine Lagarde já tinha comunicado aos bancos a recomendação de suspender pagamentos como dividendos aos acionistas até outubro. Isto enquanto permitia aos bancos socorrerem-se dos fundos regulamentares para responder à crise, mesmo que isso implicasse o incumprimento dos rácios temporariamente.

Agora, confirmando informações avançadas pelas agências internacionais há uma semana, prolongou esse travão até ao final do ano, recomendando ainda que as instituições financeiras tenham “moderação” nos bónus a pagar aos gestores.

O BCE pretende, assim, garantir que o setor é capaz de enfrentar os efeitos da crise provocada pela pandemia. O supervisor europeu da banca, citado pelo Financial Times (acesso pago/conteúdo em inglês) diz que as instituições financeiras “conseguem suportar o stress provocado pela pandemia, mas se a situação piorar, os efeitos nos rácios de capital da banca poderão ser materiais”.

Com a pandemia, a economia mundial afundou. O PIB da Zona Euro prepara-se para uma forte contração, tendo sido adotadas várias medidas por parte dos diferentes país do euro no sentido de apoiar famílias e empresas. Uma dessas medidas passa pelas moratórias no crédito que estão a levar os bancos a realizarem elevadas provisões para se protegerem de eventuais perdas com financiamentos que se tornem incobráveis.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE diz aos bancos para não pagarem dividendos até ao final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião