Hoje nas notícias: Novo Banco, exportações e ISV

  • ECO
  • 28 Julho 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Novo Banco vendeu uma carteira de 13.000 imóveis a um fundo nas ilhas Caimão, concedendo crédito para essa operação que acabou por se revelar danosa, tendo acabado por ser compensado por parte do Fundo de Resolução. É ainda notícia a previsão do secretário de Estado da Internacionalização, que aponta três anos até as exportações recuperarem da crise provocada pela pandemia. Destaque ainda para mais um processo perdido pelo Fisco no que toca a devolução do ISV.

Novo Banco vendeu 13 mil imóveis, deu crédito e foi compensado pelas perdas

Na alienação de 13 mil imóveis do portefólio “Viriato”, realizada em 2018, o Novo Banco foi o vendedor, mas também foi financiador de um fundo de investidores anónimos nas ilhas Caimão, que não quis arriscar perder dinheiro e pediu crédito ao próprio banco. A carteira foi alienada, com perdas, mas o Novo Banco foi compensado por esses prejuízos por parte do Fundo de Resolução. Leia a notícia completa no Público (acesso pago)

Exportações vão demorar até três anos a recuperar

O secretário de Estado da Internacionalização antecipa que o recorde conseguido com as exportações no ano passado — 93,5 mil milhões de euros — só voltará a ser alcançado “em 2022 ou 2023”. Eurico Brilhante Dias considera que “as exportações cairão de forma expressiva este ano, com uma nota particular para o turismo”, contudo, não adiantou números. Se todos os pontos forem cumpridos, o governante acredita que o país chegará a 2030 com um volume de exportações equivalente a 53% do PIB. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago)

Fisco recusou devolver 355 euros de ISV. Agora paga o dobro só em custas judiciais

Há cada vez mais contribuintes a reclamar a devolução do Imposto Sobre Veículos (ISV) e o caso mais recente foi mais uma derrota para o Fisco. Um contribuinte recorreu ao Centro de Arbitragem Administrativa de Lisboa (CAAD) para exigir à Autoridade Tributária a devolução de 355 euros de ISV, devolução essa que recebeu “luz verde”. Contudo, o Fisco recusou-se a devolver esse montante e recorreu da decisão. Agora, o Tribunal Contas exige que a AT pague o dobro do imposto reclamado em custas judiciais. Leia a notícia completa no Público (acesso pago)

Já se podem realizar feiras e ajuntamentos de dez pessoas em Lisboa

O fim do estado de calamidade nas 19 freguesias de Lisboa vai trazer um alívio de medidas para toda a capital, que passa, assim, a estar toda em estado de contingência. Esta mudança, diz o Correio da Manhã, deverá ocorrer nos primeiros 15 dias de agosto, dando assim “luz verde” a ajuntamentos de dez pessoas (o dobro do permitido atualmente) e à realização de feiras. Leia a notícia completa no Correio da Manhã

Seguradores já começaram a reembolsar clientes

As seguradoras já começaram a reembolsar os clientes pelo período em que Portugal esteve em estado de emergência. Na altura ficou definido que os condutores teriam de ser compensados por esse período, em cerca de 10% do prémio do seguro automóvel, tendo em conta que o risco de acidente foi muito mais baixo pela diminuição de carros nas ruas. Leia a notícia completa no Jornal I (link indisponível)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Novo Banco, exportações e ISV

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião